- DestaquesVARIEDADES

Em fevereiro de 2020, o Coronavírus desembarcava no Brasil

Primeiro caso em Dom Pedrito seria confirmado somente em março daquele ano

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

No começo do ano passado, a pandemia do novo coronavírus avançava a passos largos pelo mundo. Sem respeitar fronteiras, ele desembarcou no Brasil e o primeiro caso foi confirmado em 26 de fevereiro de 2020. Era o sinal de alerta que ascendia e começava a deixar os brasileiros preocupados, dada as consequências geradas na China e países da Europa.

Por conta disso, a prefeitura de Dom Pedrito emitiu um comunicado naquela data através com seu COE – Comitê de Operações de Emergência. O órgão informava também que no país 20 pessoas estavam com suspeita de contágio.

Mal se sabia as proporções que a doença tomaria no Brasil, tanto é que um mês depois o primeiro caso foi registrado em Dom Pedrito, dando o start para mais e mais casos.

Hoje, quase um ano depois, muitos avanços foram feitos no campo do combate à Covid-19, em Dom Pedrito – formas de tratamento, diagnóstico, estrutura de atendimento (Dom Pedrito possui 10 leitos de UTI que atendem pacientes locais e também de outras partes do Estado), além do ambulatório para sintomáticos que funciona até hoje.

A vacina também chegou, a passos lentos, é verdade, exigindo que grupos muito prioritários começassem a receber as primeiras doses, deixando o restante da população na expectativa de quando será a sua vez. Mesmo diante da descrença de muitos, é consenso entre os especialistas que a imunização do maior percentual possível de pessoas é o único caminho para controlar a pandemia.

Passado quase um ano, muitos se renderam aos fatos, mas outros tantos ainda ignoram as mais básicas recomendações de higiene, como não usar mascaras e participar de aglomerações, por exemplo.  Na Capital da Paz, não foram poucas as vezes em que as autoridades (Brigada Militar, fiscais da prefeitura) foram chamadas a atuar em locais onde aconteciam festas ou aglomeração de pessoas. Dá a impressão que para estes a pandemia não existe ou já terminou. Quem dera, temos um caminho longo pela frente e o sucesso dessa empreitada depende não só da ciência, mas da colaboração, por mínima que seja, de cada ser humano.

Estamos vencemos o primeiro ano de luta, a despeito de muitos terem tombado. Pode ser clichê, mas nunca será demais mencionar que estamos travando uma guerra contra um inimigo invisível, o que dificulta ainda mais o combate. A humanidade já teve em sua história momentos sombrios e todos eles deram lugar a novos amanheceres, onde o homem saiu sempre mais fortalecido e experiente.

Por hora, cabe a cada um ter esperança e fé, mas aliando ações que contribuam para a concretização deste objetivo.

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios