- DestaquesNOTÍCIAS

Justiça orienta afastamento de enfermeiro suspeito de trabalhar sob efeito de drogas em Dom Pedrito

Homem foi denunciado pelo Ministério Público por negociar a compra de cocaína durante o expediente de trabalho. O hospital ainda não foi notificado pela justiça e o enfermeiro continua exercendo suas funções

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS) determinou que o município de Dom Pedrito, na Região da Campanha, avalie a saúde mental de um enfermeiro. Ele foi denunciado pelo Ministério Público (MP-RS) por negociar a compra de drogas no pronto-socorro de um hospital da cidade durante o expediente de trabalho.

Há suspeita de que ele já tenha desempenhado suas funções sob o efeito de drogas. Caso seja confirmado o consumo, a Justiça orienta o município a afastá-lo, temporariamente ou em definitivo, para tratamento.

De acordo com o MP, provas obtidas por meio de investigação da Polícia Civil confirmam que o enfermeiro mantinha contato com traficantes durante o horário de trabalho, o que levantou a suspeita de que ele possa ter desempenhado suas funções após consumo de entorpecentes como cocaína.

Conversas por telefone, entre o enfermeiro e traficantes, foram interceptadas entre 2019 e 2020.

Na avaliação do MP, a partir dessas conversas foi possível confirmar que o enfermeiro é “contumaz usuário de entorpecentes e que, durante o período em que exerce suas atividades laborais, esteve em total desespero pela compra de cocaína, o que indica o risco trazido aos pacientes e violação dos princípios que norteiam o serviço público”.

O MP instaurou, então, uma ação civil pública por improbidade administrativa e pediu à Justiça que o enfermeiro fosse punido com, por exemplo, perda da função pública e pagamento de multa.

O Judiciário entendeu, em 1ª instância, que o crime praticado pelo enfermeiro é de menor potencial ofensivo, já que o serviço prestado por ele não teria causado prejuízos à população ou ao poder público. O MP vai recorrer da decisão.

 

Fonte: G1

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios