NOTÍCIAS

Seu Whatsapp foi clonado? Entenda os perigos do golpe e saiba se proteger

Golpe tem crescido no Brasil no último ano; saiba o que fazer quando o WhatsApp é clonado

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

Ter o WhatsApp clonado tem se tornado cada vez mais recorrente no Brasil. Um levantamento feito pela empresa de cibersegurança PSafe estima que, a cada dia, 23 pessoas seriam vítimas dessa modalidade de golpe em todo o país. Além disso, o aplicativo do dfndr security detectou 134 mil tentativas do golpe de hackear WhatsApp à distância no primeiro semestre de 2019.

Um fator que contribui para o aumento nos casos de golpe é o desconhecimento dos usuários quanto a normas básicas de segurança do WhatsApp. Muitos repassam, ser saber, para criminosos o código de autenticação do mensageiro que dá acesso aos chats privados. Entenda a seguir como se proteger de invasores e recuperar WhatsApp clonado.

Como saber que o WhatsApp foi clonado?

É possível saber se que o WhatsApp foi clonado com algumas dicas simples. Em primeiro lugar, fique atento a atividades estranhas na sua conta. Caso observe que conversas não lidas por você constam como visualizadas, ou note mensagens que não lembra de ter enviado, é provável que o WhatsApp esteja ativo em um lugar diferente do seu aparelho.

Outro indício envolve as sessões ativas no WhatsApp Web. No menu principal do mensageiro, é possível conferir quais dispositivos estão conectados. Se houver algum login suspeito, pressione a opção “Sair de todas as sessões” para remover dispositivos estranhos.

Saiba evitar a clonagem do WhatsApp

Como a maioria dos aplicativos para clonar WhatsApp requer acesso físico ao celular, o primeiro passo para se proteger é não deixar o celular desbloqueado em qualquer lugar, sem supervisão. Instalar versões “turbinadas” do mensageiro, como o GB WhatsApp ou o Yo WhatsApp, é outra atitude que deixa o usuário vulnerável à clonagem — além de irem contra os termos de uso da plataforma.

Para reforçar a segurança da conta e impedir a ação de invasores, recomenda-se ativar a confirmação em duas etapas. Com isso, qualquer tentativa de verificação do seu número será acompanhada por um PIN criado por você, medida que impede a clonagem por código SMS, por exemplo.

Caso sinta que sua conta está em risco, uma medida emergencial é apagar conversas que revelem informações pessoais, como dados bancários e fotos íntimas. Para isso, abra a conversa e toque no ícone de menu (três pontos), no canto superior direito da tela. Em seguida, pressione “Mais” e escolha a opção “Limpar conversa”.

Outra dica diz respeito ao WhatsApp Web. É possível que, em algum momento, você esqueça o mensageiro logado no computador do trabalho, por exemplo, ou em alguma outra máquina que não seja sua. Nesse caso, basta tocar no ícone de três pontos, selecionar “WhatsApp Web” e se desconectar de todas as sessões. Na dúvida, sempre faça logout, mesmo no seu computador.

Vale, ainda, recorrer a aplicativos que colocam senha no WhatsApp. Dessa forma, quando alguém tentar acessar o mensageiro, precisará digitar também a senha do aplicativo, além do código exigido na tela de bloqueio do celular.

Como recuperar WhatsApp clonado?

Se o seu WhatsApp foi hackeado, entre em contato com a operadora do celular e solicite a suspensão temporária da linha telefônica. Em seguida, vá até uma loja autorizada da empresa e peça para transferirem o número para um novo chip. O procedimento é feito na hora.

Feito isso, envie um e-mail para support@whatsapp.com informando seu número no formato internacional (+55 9 xxxx xxxx) e solicitando bloquear o WhatsApp clonado. O perfil permanecerá suspenso por trinta dias para que você consiga reativá-lo. Após esse prazo, ele será apagado definitivamente. Depois que a linha estiver ativa outra vez, reinstale o aplicativo do WhatsApp e configure a conta.

Fonte: Techtudo.

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios