- DestaquesNOTÍCIAS

Lei que reconhece Ponche Verde da Canção Gaúcha de Dom Pedrito entra na pauta da Assembleia Legislativa

Caso seja aprovada, o festival que é realizado anualmente no município passará a ser incluído no Calendário Oficial do Rio Grande do Sul

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

O projeto de lei sobre tornar o Ponche Verde da Canção Gaúcha em evento Estadual e que tramitava nas comissões técnicas da Assembleia Legislativa foi aprovado. Agora, depende apenas do aval das lideranças de bancadas para ser votado em plenário. Caso essa proposta seja aprovada, o evento, promovido anualmente, em novembro, será incluído no Calendário Oficial do Rio Grande do Sul. Vale lembrar, que no ano passado, o autor da proposta, deputado Sérgio Turra, argumentou que ‘o Ponche Verde da Canção Gaúcha desempenha papel fundamental na fixação da identidade do povo rio-grandense’.

Veja a Justificativa apresentada pelo deputado – PL 433/2019

O Ponche Verde da Canção Gaúcha, surgiu da ideia de pedritenses ligados à arte e a cultura do Rio Grande do Sul, na década de 80, quando o Estado possuía em torno de 100 festivais de música nativista, a maioria incentivados pela Califórnia da Canção Gaúcha, de Uruguaiana, que servia de palco para compositores e músicos divulgarem sua arte. A primeira edição aconteceu no ano de 1985, tendo como local o antigo Cine Glória, no centro da cidade.

Em paralelo, foi organizada uma “cidade de lona”, um grande acampamento com tertúlias livres durante os dias do festival. O Prefeito de Dom Pedrito e grande incentivador para sua criação era
Quintiliano Machado Vieira, que formou uma comissão organizadora, composta por pessoas que se identificavam com a música gaúcha e que faziam parte do seu governo, tendo o apoio de músicos e compositores pedritenses.

Qwerty Portal de Notícias |

Foi um grande desafio e após muito trabalho, surgiu então o Festival que mais tarde, ficou conhecido como: “O melhor público dos festivais do RS”, durante um show do renomado músico Rui Biriva, que assim batizou o público presente por ter se encantado com a participação e a valorização dispensada aos artistas que passavam pelo palco. Vários artistas renomados do cancioneiro gaúcho, passaram pelo palco do Ponche Verde, tanto com músicas concorrendo a premiação, como em shows.

O Ponche Verde da Canção Gaúcha alcança, em 2019, a sua 34ª edição, de forma ininterrupta, sendo hoje um dos poucos festivais de música gaúcha que permanece, tal qual foi criado: com o intuito de mostrar ao público a música gaúcha na sua essência e premiar as melhores composições, assim como seus autores e intérpretes.

O Festival acontece da seguinte maneira: compositores enviam suas obras durante um período determinado pela comissão organizadora. Logo após é realizada uma triagem e escolhidas as composições que irão ao palco durante o evento. Os autores classificados recebem uma ajuda de custo. Essa escolha é feita pela mesma comissão julgadora que irá atuar no festival. A premiação é composta basicamente por 1º, 2º e 3º lugar, melhor intérprete, melhor instrumentista, melhor letra, melhor melodia e música mais popular, recebendo premiação em dinheiro e troféus.

Qwerty Portal de Notícias |

O evento acontece sempre no mês de novembro, no Parque de Exposições do Sindicato Rural de Dom Pedrito, em três dias: de sexta-feira a domingo, e conta com um público de aproximadamente cinco mil pessoas por noite. Além das músicas classificadas, o público prestigia os shows e o famoso “baile do lonão”. Quando o festival já estava em sua 16ª edição, a Comissão Organizadora decidiu criar um evento paralelo, voltado a músicos e compositores exclusivamente de Dom Pedrito, a mostrarem seu trabalho no palco.

Foi criada a Mostra do Canto Campeiro, que em 2019, chega à sua 18ª edição, coroado de êxito e muito valorizado pelos artistas da terra que, todos os anos, enviam um número expressivo de composições para a triagem. Em 2015, outra inovação: pensando no futuro do cancioneiro gaúcho, foi criado o Ponche Verde Mirim. Uma oportunidade para crianças e jovens mostrarem seus talentos, em uma estrutura preparada para receber o festival e os shows, o que, muitas vezes, é difícil de ser oferecido, por se tratar de sonorização e iluminação de valores expressivos. Jovens intérpretes e instrumentistas possuem, então, um espaço para divulgarem suas grandes potencialidades no meio musical.

Sem dúvida, o Ponche Verde da Canção Gaúcha desempenha papel fundamental na fixação da identidade do povo rio-grandense, através da música gauchesca de qualidade. O festival congrega crianças, jovens e adultos, na pura demonstração da arte musical gaúcha, incentivando e oportunizando compositores e artistas a apresentarem o que há de melhor no Cancioneiro sul rio-grandense. Assim, nada mais justo que este Parlamento aprove esta iniciativa, atendendo a anseio daquela municipalidade.

Fonte: Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul

Texto do projeto

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios