- DestaquesVARIEDADES

Qwerty Editorial|14 anos da Lei Maria da Penha e o aumento nos casos de agressão

Número de denúncias durante a pandemia aumentou em todo Brasil.

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

Após 14 anos da criação da Lei Maria da Penha, completados ontem, dia 07 de agosto, é importante ressaltar que esta lei surgiu para proteger as mulheres que, assim como aquela que dá nome a lei, sofrem com abusos e agressões por parte de maridos, namorados e tantos outros homens.

A lei trouxe algumas mudanças que podem ser avaliadas de forma positiva ou negativa, já que cada vez mais noticiamos mulheres que denunciam casos de agressão, mas a verdadeira impressão que ficamos é a de que os casos estão cada vez mais recorrentes e que a justiça já não assusta como deveria os agressores.

A verdade é que, como todas as leis no país, esta também é falha e acaba por algumas vezes aplicar punições muito leves nos transgressores.

A atriz Luísa Brunet é uma das vítimas que teve a coragem para denunciar e expor o seu agressor, que após espancar a esposa foi condenado a um ano de serviços comunitários.

Ontem, ela deu uma declaração onde afirmou que homens no Brasil só são presos por violência contra a mulher quando conseguem matar a companheira.

Existe ainda muito preconceito e julgamento da sociedade contra as mulheres que são vítimas. Quando denunciam, poucas não são as vezes em que surgem informações de terceiros sobre a vida do casal e achismos de quem acompanhava tudo de fora. Quando voltam para o companheiro, a incompreensão para com alguém que carrega ferimentos profundos que nem ao menos entende e que sofreu agressões psicológicas tão sérias que acha que só ficará segura e feliz ao lado do seu agressor.

Fato é que a pandemia não é cruel apenas com a sociedade como um todo, mas com as mulheres que passaram a ser ainda mais agredidas durante o distanciamento social. Os dados apontam um crescimento de 13,35% em fevereiro, 17.89% março, 37,58% em abril, quando comparados ao mesmo período de 2019.

Se você sofre qualquer tipo de agressão ou sabe de alguém que esteja sofrendo, não tenha medo: denuncie!

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios