NOTÍCIAS

Confirmado primeiro caso de coronavírus no Estado

Um paciente de Campo Bom, de 60 anos, teria apresentado os sintomas uma semana após retornar da Itália

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

O primeiro caso de coronavírus no Estado foi confirmado: um paciente de Campo Bom, de 60 anos, teria apresentado os sintomas uma semana após retornar da Itália. Já são 31 casos confirmados no Brasil. Segundo divulgação, o idoso foi isolado assim que começou a apresentar os sintomas, e está em bom estado de saúde. Nenhum familiar dele estaria apresentando os sintomas. A informação foi divulgada pela secretaria de Saúde de Campo Bom.

Logo mais, às 11h, a Secretaria da Saúde do Estado (SES) realiza coletiva de imprensa para atualizar a situação epidemiológica do novo coronavírus no Rio Grande do Sul. A apresentação dos dados e ações em desenvolvimento no Estado ocorre no Salão Negrinho do Pastoreio do Palácio Piratini com as presenças do governador Eduardo Leite e da secretária Arita Bergmann.

Na segunda-feira, O Laboratório Central do Estado (Lacen/RS) havia fechado os diagnósticos como negativo dos primeiros 86 casos suspeitos para infecção pelo novo coronavírus. O número representa todos os exames feitos desde sexta-feira no Estado, quando o serviço da Secretaria da Saúde passou a fazer a análise.

Quando são suspeitos

Em recente reportagem, a Coordenadoria de Saúde explicou que os casos suspeitos são divididos por duas situações, a primeira é febre e pelo menos um sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, escarro, congestão nasal ou conjuntival, dificuldade para deglutir, dor de garganta, coriza, saturação de O2≤95%, cianose, batimento de asa de nariz, tiragem intercostal e dispneia) e ter histórico de viagem para país com transmissão local, ou contato com alguém que viajou para algum dos países da lista.

A segunda situação pode não apresentar febre. Ou seja, é necessário analisar se existe a presença de pelo menos um sintoma respiratório, histórico de contato com viajantes ou, inclusive, viagens nos últimos 14 dias, passando esse prazo será desconsiderada a suspeita.

Fonte: Folha do Sul

Notícias relacionadas

Marcar também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios