- DestaquesNOTÍCIAS

Polícia Civil deflagra Operação Inferno de Dante no Presídio Estadual de Dom Pedrito e em outras casas prisionais do Estado

Foco da ação ocorreu no município onde foram cumpridos maior parte dos mandados de prisão no PEDP

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

Na manhã desta segunda-feira (27), foi deflagada a operação “Inferno de Dante” no Presídio Estadual de Dom Pedrito e em outras casas prisionais do Estado (Bagé, Rosário do Sul, Pelotas, Caxias do Sul, São Borja, São Gabriel e Montenegro), visando combater os crimes de homicídio, tentativa de homicídio, organização criminosa, incêndio criminoso e dano ao patrimônio público. O foco da ação foi em Dom Pedrito, devido a uma rebelião ocorrida em março, que resultou na morte de um detento. No total, foram cumpridos 30 mandados de prisão, além de quatro mandados de busca e apreensão.

Para a operação desta manhã, a Polícia Civil contou com o reforço do Grupamento de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE), agentes do Grupo de Ações Especiais da Susepe (Gaes), Brigada Militar, Corpo de Bombeiros e agentes da Secretaria da Saúde de Dom Pedrito, totalizando cerca de 200 agentes públicos, nas cinco cidades onde a operação está em andamento. Esta pode ter sido a maior ação policial já realizada em Dom Pedrito, devido a quantidade de policiais e agentes envolvidos, e pela quantidade de mandados de prisões expedidos pela 1ª Vara da Comarca de Dom Pedrito.

Vale lembrar, que todos os mandados expedidos para a operação de hoje, dizem respeito as investigações que apuram o motim que terminou com o incêndio na Galeria A do presídio local ocorrido em março deste ano, e que resultou na morte de Isac Martins Gonçalves, e graves queimaduras em Patrick da Silva Peçanha e Ederson Veiga da Fontoura, além da intoxicação por inalação de fumaça de outros internos.

Conforme informações, os mandados de prisão foram expedidos para: Ariovaldo Xavier Machado Júnior, Alexsandro Coutinho Tavares, Cristiano Raymundo da Silva, Daniel Alexandre Sandes Fernandes, Daniel Madruga Domingues, Diego Dominar da Silva Alves, Douglas Domingues Silveira, Douglas Moraes de Lima, Douglas da Rosa Rodrigues, Douglas Uil Marques Rodrigues, Erlei Marques da Rosa, Felipe Fonseca de Oliveira, Francisco da Rosa de Castro, Gean Guterres Carvalho, Igor Rosa de Oliveira, Jiovane Rodrigues Cellas, Jocimar Garcia Maia, Jonathan Alexis Marques Basallo, Lucas Sória da Silva, Luis Guilherme Alves Santos, Luis Henrique Gravi Silveira, Rafael Fontoura Vilar, Renato Gonçalves Verdun, Rodrigo Lopes Soares, Sandro Heleno Rodrigues Pinto, Sérgio Machado (Sérgio Asa), Tiago Severo Machado, Tristão Garcia Neto Júnior, Valdenir Gomes Rodrigues e Vinícius Alves (Sub).

Além das prisões, o Poder Judiciário também proibiu que Luis Henrique Gravi Silveira, Jonathan Alexis Marques Basallo, Vinícius Alves, Tristão Garcia Neto Júnior e Douglas Domingues Silveira permaneçam do Presídio Estadual de Dom Pedrito, como forma de garantir a segurança das vítimas que também estão recolhidas na penitenciária. Segundo fonte policial, trata-se de uma investigação única no Brasil, país marcado por rebeliões de Norte a Sul, pois conseguiu identificar quase a totalidade dos amotinados envolvidos, a partir das imagens do sistema de videomonitoramento, inclusive indiciar o mandante que estava recolhido em outro presídio, o que demonstra a eficiência da Polícia Civil e da Susepe em procedimento que ouviu mais de cem pessoas.

Agora o inquérito deverá ser relatado pelo Delegado de Polícia, André de Mattos Mendes, com remessa ao Ministério Público, que terá o prazo de cinco dias para oferecer denúncia, cabendo então ao Juiz da Vara do Júri local analisar se recebe ou não acusação.

Relembre o caso

Um tumulto em duas celas da Galeria A do Presídio Estadual de Dom Pedrito deixou pelo menos seis detentos feridos na tarde desta segunda-feira (19), por volta das 14h. De acordo com informações obtidas pela reportagem, os detentos colocaram fogo em colchões, o que acabou se espalhando rapidamente, sendo necesário que os agentes da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe) acionassem o Corpo de Bombeiros, que enviou ao local duas viaturas para que o fogo fosse controlado.

Além dos bombeiros, agentes que estavam de folga, policiais civis e militares também foram chamados para que a situação fosse controlada o mais rápido possível.

O Samu foi acionado para socorrer os detentos que ficaram feridos e os levou ao Pronto Socorro para atendimento. Os apenados atendidos foram: Elaine Zambrano da Fontoura, que ficou em estado de choque; Daiane Kreiss e Alessandro Vaz, que ficaram com dificuldade respiratória.

Já os detentos que ficaram em estado grave, com queimaduras de 3º grau, foram: Patrick Silva Peçanha, Isac Martins Gonçalves e Ederson Veiga Fontoura. Um deles foi removido para Santana do Livramento. Os outros dois aguardam leito em outras cidades. Uma agente penitenciária passou mal por ter inalado muita fumaça e, após ser atendida, foi liberada e passa bem.

Agora, a Susepe investiga a motivação do incêndio e trabalha na identificação dos supostos autores do crime para que eles sejam responsabilizados criminalmente. A Polícia Civil faz a segurança em frente ao Pronto Socorro.

Notícias relacionadas

Marcar também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios