NOTÍCIAS

Rio Grande do Sul fechou 2017 com 486 mil desempregados, aponta pesquisa do IBGE

O Rio Grande do Sul fechou o ano de 2017 com 486 mil pessoas desempregadas, conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados na manhã desta sexta-feira (23). O número é 3% menor que o registrado em 2016, quando 502 mil pessoas estavam fora do mercado de trabalho.

As mulheres são maioria entre os desempregados no estado. São 264 mil, número 19% maior que os 222 mil homens fora do mercado de trabalho em 2017, conforme a pesquisa.

Em todo o país, chega a 12,3 milhões o número de desempregados – aqueles que não trabalham, mas procuram empregos nos últimos 30 dias.

Quando levado em consideração o número de trabalhadores subutilizados, grupo que reúne pessoas que poderiam trabalhar, mas estão desocupadas, e aqueles que trabalham menos de 40 horas semanais, esse número salta para 26,4 milhões.

Com o percentual de 8% da população economicamente ativa fora do mercado de trabalho, o Rio Grande do Sul ocupa a quarta posição entre as unidades da federação com menor desemprego, atrás de Rondônia, com percentual de 7,6%, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, empatados na segunda posição, com 7,3%, e Santa Catarina, com 6,3%, o menor percentual.

O estado que lidera o percentual de pessoas fora do mercado de trabalho é o Amapá, com 18,8% da população nesta situação. Em números absolutos, isso representa um total de 68 mil pessoas.

São Paulo é o estado com o maior número de pessoas desempregadas, 3,1 milhões, que representa 12,7% da população economicamente ativa, ocupando a 11ª posição entre os estados com o maior número de desempregados.

A pesquisa é realizada pelo IBGE por meio de amostragem, sendo que a cada trimestre são pesquisados 211,3 mil domicílios em todo o país, sendo que 12 mil estão distribuídos em 400 cidades gaúchas tanto na área urbana, quanto rural.

G1/RS

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios