NOTÍCIAS

Região: prefeituras decretam emergência por conta dos prejuízos com a estiagem

A estiagem que afeta a Campanha gaúcha traz reflexos para a economia. A agropecuária sofre com a falta de chuvas, o que causa a diminuição na produtividade das colheitas e emagrecimento do gado. Contabilizando perdas, as prefeituras de Hulha Negra e Bagé já decretaram situação de emergência.

Conforme o gerente regional da Emater/RS, Elói Joaquim Pozzer, os municípios do Corede Campanha são os mais prejudicados pela situação. Pozzer afirma que, hoje, estará se reunindo com alguns representantes da Defesa Civil, para verificar a situação do setor em Bagé. O município iniciou, ontem, o racionamento de água, que pode durar 180 dias.
O gerente destaca que Hulha Negra já declarou estado de emergência no dia 22 de janeiro e aguarda homologação do Estado e da União.

Salienta ainda que as situações de Bagé, Aceguá, Caçapava do Sul, Candiota, Dom Pedrito e Lavras do Sul também são preocupantes, sendo que estes municípios podem declarar emergência a qualquer momento.

Segundo o prefeito de Candiota, Adriano dos Santos, do PT, o município está tomando medidas para declarar estado de emergência. O prefeito informa que o racionamento de água, em Candiota, já é uma realidade e o prejuízo na produção de soja, até semana passada, já tinha ultrapassado R$ 8 milhões. Santos relata que o município já está tomando medidas para conter a situação, como a criação de duas novas Estações de Tratamento de Água, uma cisterna para atender o interior e um novo reservatório para a área urbana.

Apicultura
Pozzer explica que o ramo com maiores perdas na região foi a apicultura, que perdeu aproximadamente 50% da produção. O gerente afirma que o resultado representa uma grande perda para Bagé, que é um dos principais produtores de mel do Rio Grande do Sul, com um rendimento médio de cerca de 350 toneladas por ano.

Agricultura
A questão da queda no cultivo de soja será um os fatores que mais prejudicará o município. A perda da produção de soja na região pode chegar a 30%.

Pozzer revela que os produtores que menos serão prejudicados pela estiagem serão aqueles que plantaram suas culturas entre outubro e novembro. Aqueles que plantaram entre a segunda quinzena de novembro e dezembro são os mais afetados, com perda de 30% de sua produtividade.

O gerente regional salienta que os dados são uma média geral, observando que alguns produtores não tiveram perda significativa em seu trabalho, enquanto o prejuízo de outros chegou a 70%.

Pecuária
A falta de água também prejudica a saúde dos bovinos, o que dificulta a reprodução e deve diminuir a quantidade de gado, que será sentida, com mais força, no próximo ano.
A situação também enfraquece as condições da pastagem, o que causa emagrecimento dos animais e diminui a qualidade da carne. O clima também contribuirá para a baixa na quantidade do leite.

Jornal Minuano

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios