- DestaquesNOTÍCIAS

Igreja anglicana irá debater casamento homoafetivo

No País, algumas dioceses já realizaram o concílio, como a de Porto Alegre, que celebrou o primeiro casamento de pessoas do mesmo sexo do Rio Grande do Sul no início deste ano.

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

Há mais de dois anos, a Igreja Anglicana do Brasil está trabalhando para a realização do 67º Concílio da Diocese Sul Ocidental, que será realizado em Bagé depois de um intervalo de 16 anos. O evento, que acontece nos dias 1º, 2 e 3 de novembro, na Matriz do Crucificado, terá como lema “Façam tudo com amor” – 1 Coríntios 16:14 – e, entre os temas que serão debatidos, consta a autorização para que o casamento homoafetivo seja realizado na Diocese.
No País, algumas dioceses já realizaram o concílio, como a de Porto Alegre, que celebrou o primeiro casamento de pessoas do mesmo sexo do Rio Grande do Sul no início deste ano.

Conforme a reverenda Ana Maria Esvael, o evento é realizado a cada dois anos e o último registrado em Bagé foi em 2003. Ela explica que estarão presentes mais de 100 pessoas, que compõem o distrito missionário Sul Ocidental, com sede em Santa Maria, e que engloba parte da região da Campanha até o Oeste de Santa Catarina.

Para a realização do evento, que é custeado pela paróquia, foram desenvolvidas promoções. Ana Maria salienta que a Matriz do Crucificado cobre as despesas de hospedagem e alimentação dos delegados. “Estamos buscando patrocínios e colaborações para cobrir os custos. Quem puder doar pode entrar em contato com a paróquia”, disse.

A reverenda informa que, além do casamento homoafetivo, serão discutidos os canones diocesanos (leis). Ela frisa que as dioceses precisam ajustar suas legislações com as da Igreja do Brasil. Ana Maria informa que a Emenda Canônica, que permite o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo, foi aprovada durante o 34º Sínodo Ordinário, que aconteceu em Brasília, em julho de 2018. O resultado é consequência de um amplo debate, que durou, aproximadamente, 21 anos.

De acordo com a religiosa, os delegados serão responsáveis pelo debate e aprovação ou não do casamento homoafetivo. A reverenda comenta que há pessoas contra, e, por isso, é necessário respeitar todos os posicionamentos. O encontro terá a participação do bispo da diocese, Francisco de Assis da Silva, e de todo o clero. O evento será aberto para a comunidade. Fonte: Jornal Minuano

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere nos ajudar desabilitando o adblocker no seu navegador.