ESPORTESNOTÍCIAS

A decisão da Conmebol que poderá valer R$ 100 milhões para o Grêmio

Clube gaúcho aguarda anúncio dos representantes da América do Sul no Mundial de Clubes de 2021

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

Uma decisão que está nas mãos da Conmebol poderá valer uma quantia milionária para o Grêmio. A decisão é a possibilidade de confirmação do clube gaúcho no novo Mundial de Clubes de 2021, o que representará a entrada de um valor significativo nas contas, já que a Fifa prepara o anúncio de prêmios extraordinários para o seu novo torneio. 

A primeira edição do Mundial com o seu novo formato já está confirmada para 2021, no lugar da Copa das Confederações. Será uma Copa do Mundo de clubes, com 24 participantes, sendo disputada a cada quatro anos. 

Apesar da confirmação da competição, a Fifa está enfrentando uma resistência fortíssima entre os principais clubes europeus, que são contrários ao modelo de disputa apresentado. E aí que entra a jogada de mestre que está sendo preparada pelo presidente da Fifa, Gianni Infantino. Este é um projeto pessoal dele, que aposta tudo no novo torneio. 

Com patrocinadores garantidos e previsão de uma receita fantástica, Infantino acena com uma premiação milionária para atrair os europeus. A ideia da Fifa é ter no Mundial cotas parecidas com a da Liga dos Campeões, principal competição de clubes da UEFA. 

Na Conmebol, alguns dirigentes trabalham com a informação de uma cota mínima de 25 milhões de euros (cerca de R$ 110 milhões) para cada clube. A partir daí, bônus por classificação para as fases seguintes, com possibilidade do prêmio do campeão chegar a 50 milhões de euros (cerca de R$ 220 milhões), somando todas as etapas do campeonato. A fórmula será de 8 grupos de 3 times. Apenas o primeiro se classifica para o mata-mata, com quartas de finais, semifinais e final. 

Esta seria uma premiação semelhante a da Liga dos Campeões, que paga 15 milhões de euros (cerca de R$ 68 milhões) para cada clube na fase de grupos. Este é o valor fixo, com bônus de 2,7 milhões de euros (cerca de R$ 12 milhões) por vitória, e 900 mil euros (cerca de R$ 4 milhões) por empate. Isto só na primeira fase. A premiação aumenta com os valores por vitória nas oitavas, quartas, semifinais e final. O campeão, se atingir todas as metas, pode faturar até 65 milhões de euros (cerca de R$ 290 milhões).  

Para efeito de comparação, o campeão da Libertadores de 2019 ganhará 12 milhões de dólares (cerca de R$ 50 milhões). Com os valores das etapas anteriores, a premiação poderá chegar a 18 milhões de dólares (cerca de R$ 75 milhões). 

O problema é que o Grêmio ainda não tem a sua vaga confirmada no Mundial de 2021. Serão seis vagas para a América do Sul. A ideia de Alejandro Domínguez, presidente da Conmebol, sempre foi levar os quatro campeões da Libertadores dos anos anteriores (2017, 2018, 2019 e 2020), e mais duas vagas por meio de um playoff entre os campeões da Copa Sul-Americana dos mesmos anos. Com este critério, Grêmio e River Plate estariam dentro. 

Mas o que gera preocupação é a demora da Conmebol para fazer o anúncio. Esta questão está se arrastando desde o início do ano. Nos corredores da entidade, ninguém mais arrisca um palpite sobre o que poderá acontecer. De qualquer maneira, a oficialização do critério está prevista ainda para 2019. 

A decisão está nas mãos de Alejandro Domínguez. E poderá valer R$ 100 milhões para o Grêmio. Fonte: GaúchaZH

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere nos ajudar desabilitando o adblocker no seu navegador.