NOTÍCIAS

Inquérito policial aponta que idosa estava morta quando foi velada

Segundo o delegado Luís Eduardo Benites, as provas reunidas atestam que Rosaura Vaz, de 80 anos, já estava efetivamente morta quando encaminhada para o velório.

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

O delegado regional Luís Eduardo Benites anunciou, nesta quarta-feira, o encerramento do inquérito sobre o caso de Rosaura Vaz, de 80 anos, que estaria sendo velada viva, na madrugada do dia 20 de agosto deste ano, no Cemitério José de Arimateia, conforme denunciado por familiares da idosa. Segundo ele, as provas reunidas atestam que a mulher já estava efetivamente morta quando encaminhada para o velório.

De acordo com Benites, a Polícia Civil abriu inquérito devido a denúncia da família da idosa. “A delegada plantonista no dia do fato acionou a perícia em tempo hábil e, então, começamos as oitivas e a investigação deste caso inusitado”, disse. Conforme ele, a apuração ouviu manifestações de representantes do hospital, do médico da família, que teria atestado o óbito, da funerária, de familiares e do médico legista. “Com o atestado de óbito que revelou a causa mortis, a investigação teve andamento. Verificamos que foram realizados todos os procedimentos, como tamponamento de todos os orifícios, pelo hospital, confirmado pela funerária e na necropsia, o que foi confirmado pelo médico legista, vedando assim a entrada de oxigênio, o que já ficaria impossível dela respirar e isso impediria que, se estivesse viva, após este procedimento, teria tido embolia pulmonar, o que não foi detectado na necropsia”, detalhou.

Benites destacou que, no laudo, o médico perito ressaltou que o horário da morte é compreendido entre 20h15min, do dia 19 de agosto, e 8h15min, de 20 de agosto. “Assim, concluiu que não seria no horário em que a família disse que ela estaria viva, após as 8h15min da manhã”, completou.

Outro fato apontado pelo delegado é que o aparelho que teria aferido a pressão arterial da idosa não seria preciso. “Também não temos uma foto comprovando os dados apontados pela família, como a pressão estar 12×7 e os batimentos. Assim sendo esgotada todas as possibilidades pela polícia”, finalizou.

Fonte: Jornal Minuano

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere nos ajudar desabilitando o adblocker no seu navegador.