- DestaquesNOTÍCIAS

Acontece amanhã (28) o júri de Elvis Dias Ozório, Cristian de Freitas Dias e Luis Fernando Pires Madruga pela tentativa de homicídio de Ricardo Barbosa Leal

O crime ocorreu no dia 26 de maio de 2016, na Rua Bernardino Ângelo, em frente ao Clube Comercial

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

Ocorre amanhã (28), a partir das 9 horas da manhã, o quarto júri do mês de novembro. Neste julgamento, os réus Elvis Dias Ozório, Cristian de Freitas Dias, vulgo “Pombão” e Luis Fernando Pires Madruga, vulgo “Nandinho”, além de outros dois menores são acusados de tentar matar Ricardo Barbosa Leal. O crime ocorreu no dia 26 de maio de 2016, na Rua Bernardino Ângelo, em frente ao Clube Comercial. O magistrado Luis Filipe Lemos Almeida irá conduzir o júri. O Promotor de Justiça, Leonardo Giron, será responsável pela acusação do Ministério Público, já os réus terão sua defesa realizada por um Defensor Público.

Relembre o caso

No dia 26 de junho de 2016, Ricardo Leal, 46 anos, foi esfaqueado após sair de uma festa no Clube Comercial. O crime ocorreu por volta das 6h. Naquela oportunidade, a vítima disse à Brigada Militar e à Polícia Civil que não sabia quem havia lhe esfaqueado. Segundo testemunhas, Ricardo foi agredido por cerca de quatro pessoas, sendo que uma delas lhe deu a facada.

Ele foi levado com urgência ao Pronto Socorro, onde posteriormente foi submetido a uma cirurgia na Santa Casa de Caridade de Dom Pedrito. O ferimento atingiu o abdômen da vítima.

A prisão dos acusados

Policiais Civis de Dom Pedrito, Bagé e Santana do Livramento, juntamente com a Brigada Militar de Dom Pedrito e Bagé, deflagraram, na manhã do dia 05 de julho de 2016, a Operação Xeque-Mate, visando desarticular a gangue do São Gregório, que vinha cometendo uma série de crimes na cidade – inclusive sendo os principais suspeitos pela tentativa de homicídio ocorrida 26 de junho de 2016, na saída de uma festa, em frente ao Clube Comercial.

A ação, que teve coordenação da delegacia de Dom Pedrito, reuniu 60 policiais, distribuídos em 20 viaturas. De acordo com o delegado Cristiano Ribeiro Ritta, foram 18 ordens judiciais; sendo três mandados de prisões preventivas, nove mandados de busca e apreensão e seis conduções coercitivas.

“Houveram três prisões e mais duas conduções de adolescentes para a delegacia, onde todos foram ouvidos e tratados como os principais suspeitos da tentativa de homicídio”, revelou Ritta.

A ideia segundo ele, era neutralizar a ação das gangues, começando pela do São Gregório. Ainda durante a ação daquele dia, os policiais apreenderam diversas facas, barras de ferro, celulares e droga. Foram presos naquela oportunidade, Cristian de Freitas Dias, 18 anos; Luis Fernando Pires Madruga, 22 anos; Elvis Dias Osório, 21 anos.

Confira vídeo e fotos da operação

Fotos da Operação Xeque-Mate

A pronúncia dos acusados

78 dias após a tentativa de homicídio de Ricardo Leal, a Justiça decidiu que os acusados pelo crime iriam a Júri Popular. A agilidade neste e em outros processos, ficou caracterizada justamente pelo excelente trabalho desenvolvido entre as polícias de Dom Pedrito, Ministério Público e Judiciário.

O Ministério Público acusou Elvis Dias Ozório, Cristian de Freitas Dias, vulgo “Pombão” e Luis Fernando Pires Madruga, vulgo “Nandinho”,por tentarem matar Ricardo Barbosa Leal em companhia de dois menores.

De acordo com o processo, Elvis teria golpeado o abdômen da vítima com uma faca, causando-lhe corte profundo. Cristian teria desferido vários golpes de faca, cortando a mão direita. Nandinho e um dos menores teriam batido no seu corpo com uma barra de ferro quando a vítima já estava caída ao chão. O segundo menor teria também participado do crime dando socos e chutes no corpo de Ricardo; que apenas não veio à óbito em razão de ter sido submetido à cirurgia na Santa Casa local após ser socorrido por populares.

Manutenção da pronúncia dos acusados em segunda instância

No dia 03 de maio de 2017, os Desembargadores da 3ª Câmara Criminal decidiram por unanimidade manter a pronúncia de Luis Fernando Pires Madruga, vulgo “Nandinho”, Elvis Dias Ozório e Cristian de Freitas Dias, vulgo “Pombão” pela tentativa de homicídio de Ricardo Barbosa Leal.

Sobre a materialidade do crime:

O perito Leonardo Souza Fernandes inspecionou Ricardo no dia 29 de julho de 2016, atestando “cicatrizes de ferimentos incisos e perfuro-incisos assim distribuídas: uma na face anterior dos 1°, 2°, 3° e 4° dedos da mão esquerda; uma em região epigástrica; uma em hipocôndrio esquerda; uma em flanco esquerdo; uma em face posterior do braço; três em braço direito; uma em região interescapular e três em região lombar e uma em região peitoral esquerda, a maior medindo 6,0 centímetros”, motivo pelo qual concluiu pela limitação funcional da mão esquerda, ao passo que os croquis identificam a correlata posição das estocadas.

Sobre a decisão:

O Juiz da 1ª Vara, Luis Filipe Lemos Almeida, pronunciou Elvis Dias Ozório, Cristian de Freitas Dias, vulgo “Pombão” e Luis Fernando Pires Madruga, vulgo “Nandinho”, pela tentativa de homicídio de Ricardo Barbosa Leal, qualificada pelo motivo fútil e o recurso que dificultou a defesa da vítima, também pela corrupção dos dois adolescentes que participaram da ação criminosa, além de enquadrá-los como associação criminosa majorada pela participação de adolescente.

Como os réus responderam à instrução presos, decisão ratificada pela 3ª Câmara Criminal e pelo Desembargador Relator Diógenes Vicente Hassan Ribeiro ao respectivamente denegar o habeas corpus e a uma liminar, cujos fundamentos se reporta, nega-se o direito dos pronunciados aguardarem em liberdade o julgamento de plenário.

Notícias relacionadas

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere nos ajudar desabilitando o adblocker no seu navegador.