- DestaquesNOTÍCIAS

Douglas Rodrigues Severo, vulgo “Catutinha” é condenado a quatro anos de reclusão em regime fechado

Réu foi considerado culpado por causar lesão corporal qualificada em Alex Sander Soares em dezembro de 2015

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral, sendo vedada a reprodução em qualquer meio de comunicação sem autorização prévia.

Ocorreu nesta quarta-feira (19), o terceiro júri do mês de setembro. O réu Douglas Rodrigues Severo, vulgo “Catutinha”, foi julgado pela tentativa de homicídio de Alex Sander Soares. O crime ocorreu na madrugada do dia 31 de dezembro de 2015, na Rua Trilha de Lemos. O magistrado Luis Filipe Lemos Almeida presidiu o julgamento.

O Promotor de Justiça, Leonardo Giron, foi responsável pela acusação do Ministério Público, já o réu Douglas Rodrigues, teve sua defesa realizada pelo Defensor Público, Richard Ivan Fernandez Noguera. Os trabalhos tiveram início nesta tarde, quando o Juiz da 1ª Vara da Comarca de Dom Pedrito, Luis Filipe Lemos Almeida, disse aos jurados e aos presentes, como o júri iria funcionar. Logo em seguida, foram sorteados os jurados, e posteriormente o início do julgamento.

Inicialmente, o réu Douglas Rodrigues Severo foi chamado para prestar seus esclarecimentos sobre o crime, mas o mesmo preferiu ficar calado. Logo em seguida, o Promotor de Justiça, Leonardo Giron, tomou a palavra e explanou por quase 40 minutos, onde entendeu que o caso não era mais de tentativa de homicídio, mas sim de lesão corporal qualificada, pois em seu entendimento, o réu atendeu há um apelo da vítima para parar com as agressões.

O Promotor terminou sua fala, lendo uma passagem da Bíblia (o Sermão da Montanha). Na sequência, foi a vez do advogado de defesa, Richard Ivan Fernandez Noguera. Ele também concordou com os argumentos do Promotor, e que o caso era mesmo uma lesão corporal. Com este entendimento de desistência voluntária, o crime passou a ser lesão corporal, e neste caso cabe ao juiz a decisão final. O Magistrado Luis Filipe Lemos Almeida, acabou aplicando a pena de quatro anos em regime fechado, a qual teve início naquele momento. Ele ainda elogiou o trabalho e posição adotada pelo Promotor de Justiça, Leonardo Giron, mostrando que a Justiça está sendo adotada de forma criteriosa e justa em nosso município, e não apenas condenar por condenar.

O crime

Na madrugada do dia 31 de dezembro de 2015, ocorreu uma tentativa de homicídio. O fato aconteceu por volta das 6h, e naquela oportunidade o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foi chamado para socorrer Alex Sander Soares, de 19 anos. O crime aconteceu na Rua Trilha de Lemos, na casa da namorada da vítima. Testemunhas disseram aos policiais militares que um integrante da gangue do São Gregório arrombou a porta da casa onde o casal estava dormindo e foi até o quarto onde o jovem estava. No local, ele foi vítima de inúmeras facadas no abdômen, tendo perfuração no pulmão.

Após alguns depoimentos, os policiais foram até a casa do indivíduo apontado como sendo o autor do crime e encontraram seu irmão em frente à residência. O mesmo estava com a roupa suja de sangue e com o dedo cortado. Segundo boletim de ocorrência, ele investiu contra a guarnição e fugiu para dentro da casa, mas acabou sendo preso como principal suspeito da tentativa de homicídio. O acusado disse, que teria sido seu irmão o autor do crime, mas o mesmo não sabia dizer onde ele estava. O pai dos irmãos também tentou investir contra a Brigada Militar, mas foi contido pelos policiais. Na Delegacia de Polícia, foram registradas duas ocorrências: uma por tentativa de homicídio e outra por desacato.

Notícias relacionadas

Marcar também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere nos ajudar desabilitando o adblocker no seu navegador.