- DestaquesNOTÍCIASVARIEDADES

Obra organizada por mestranda pedritense é disponibilizada para download gratuito

Além de Franciéle, a obra também é organizada por Graziela dos Santos Lima

Textos, fotos e vídeos do Portal Qwerty estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do nosso Portal de Notícias em qualquer meio de comunicação (eletrônico ou impresso) sem autorização da Qwerty. As regras têm como objetivo proteger o investimento que realizamos na qualidade do nosso jornalismo.

A pedritense Franciéle Carneiro Garcês da Silva, mestranda no curso de Ciência da Informação no Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/Universidade Federal do Rio de Janeiro (IBICT-UFRJ), é uma das organizadoras da obra “Bibliotecari@s Negr@s, ação, pesquisa e atuação política”, que reúne conjunto de artigos onde busca, entre outros objetivos, estabelecer a Biblioteconomia Negra Brasileira a partir do mapeamento da produção de intelectuais negros. A obra está disponível para download gratuitamente.

Além de Franciéle, a obra também é organizada por Graziela dos Santos Lima. Em conversa por e-mail com nossa reportagem, Franciéle conta que conheceu Graziela durante o curso de Biblioteconomia – Habilitação Gestão da Informação, na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), o qual iniciou em 2013. “Em 2015, começamos a conversar sobre construirmos uma obra de bibliotecári@s negr@s, pois não nos víamos representadas  enquanto intelectuais e pesquisador@s na produção científica da nossa área”, contou.

Quando colou grau, no ano de 2017, ainda antes de terminar o curso, já havia sido aprovada no Mestrado em Ciência da Informação. “No IBICT, estou realizando a minha pesquisa de dissertação onde busco, entre outros objetivos, estabelecer a Biblioteconomia Negra Brasileira a partir do mapeamento da produção de intelectuais negr@s”.

A obra tomou magnitude maior quando, em 2017, Franciéle e Graziela convidaram bibliotecários negros de diversos locais para composição da obra. Ela cita alguns como Erinaldo Dias Valério, docente da Universidade Federal de Goiás (UFG), Francilene do Carmo Cardoso, docente da Universidade Federal do Maranhã (UFMA), Leyde da Silva, docente da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Miriely Souza e Priscila Fevrier, bibliotecárias no Rio de Janeiro.

Os capítulos foram recebidos no início do ano. “Em contato com a Associação Catarinense de Bibliotecári@s e contamos sobre o livro e seu objetivo, por eles estarem organizando um evento, o 36º Painel de Biblioteconomia em Santa Catarina que trazia a temática étnico-racial como uma das pautas, solicitamos a realização do lançamento lá pela Editora ACB. Eles aceitaram e no dia 4 de agosto, o livro foi lançado”, conta.

Sobre a obra em si, Franciéle comenta que o livro lança visibilidade aos bibliotecários, suas pesquisas, produção intelectual e área de atuação. “Não só a atuação profissional dentro de unidades de informação, mas também a atuação política dentro dos espaços, em especial, na academia e na biblioteca, onde ainda vivemos sob uma perspectiva que invisibiliza a produção intelectual negra. Esse livro é para ser um divisor de águas e espero que consigamos”.

**O símbolo ‘@’ empregado em algumas palavras trata-se de citação da autora, portanto, não alterado quando em citação própria.

 

Ver mais

Notícias relacionadas

Close

Adblock detectado

Por favor, considere nos ajudar desabilitando o adblocker no seu navegador.