Força-Tarefa de Combate ao Abigeato apresenta resultados para sindicatos rurais

    (Fotos: divulgação/Graciela Freitas)

    Na noite de segunda-feira, dia 24, dirigentes da Associação e Sindicato Rural de Bagé receberam em sua sede, no Parque de Exposições Visconde de Ribeiro Magalhães, o delegado de polícia Adriano de Jesus Linhares Rodrigues, coordenador da Força Tarefa de Combate aos Crimes Rurais e Abigeato, inspetores da Polícia Civil, Brigada Militar, bem como presidentes e representantes dos Sindicatos Rurais de Rosário do Sul, Alegrete, Dom Pedrito, Pinheiro Machado, Cacequi, Cachoeira do Sul e Candiota.

    Segundo o presidente da Associação e Sindicato Rural de Bagé, Rodrigo Borba Moglia, os motivos do encontro foram receber e ouvir o delegado Adriano sobre o trabalho que vem realizando frente à Força Tarefa em todo o Estado, e, também, prestar contas aos Sindicatos que auxiliam financeiramente as ações do grupo.

    A reunião começou pelos pareceres do presidente da Comissão de Assuntos Fundiários do Sistema Farsul e CNA, Paulo Ricardo Dias, que também compõe a diretoria da Associação e Sindicato Rural de Bagé.

    Paulo Ricardo relatou as últimas “vitórias” dos produtores rurais com as recentes intervenções políticas feitas pelos deputados federais que integram a Frente Parlamentar da Agropecuária – FPA, que comemoraram a aprovação das condições definidas pelo STF (Superior Tribunal Federal) para a demarcação de terras, entre elas, a do marco temporal de 5 de outubro de 1988, que diz que só podem ser demarcadas terras que estivessem efetivamente ocupadas por indígenas naquela data.

    O presidente da Comissão de Assuntos Fundiários disse que a ocasião era bastante propícia para atualizar os produtores, que tanto sofrem com a injusta desapropriação de terras em todo o Brasil.

    O delegado Adriano Linhares falou na sequência, pontuando o trabalho que ele, juntamente com sua equipe, tem realizado ao longo dos últimos 11 meses frente à Força Tarefa. Disse que muito já foi feito, admitindo, inclusive, que, em alguns municípios, o crime de abigeato já é praticamente inexistente, mas que ainda há prisões a serem efetuadas, e por mais que em meses se tenha obtido um bom resultado, o trabalho de investigação é minucioso e precisa ser amadurecido, de maneira cautelosa, para que seja conclusivo.

    Os produtores presentes no evento fizeram uma série de questionamentos a Linhares, que respondeu a todos. Além disso, o trabalho do delegado e de sua equipe foi exaltado inúmeras vezes, conforme declarou publicamente o presidente Rodrigo Moglia: “não se vê na nossa região um trabalho tão eficaz há mais de 10 anos, e o delgado conseguiu prender mais de 100 criminosos em meses”.

    Após a explanação de Adriano, a contadora da Associação e Sindicato Rural, Ieda Previtali, apresentou a prestação de contas dos valores remetidos pelos Sindicatos Rurais para auxiliar no trabalho dos policiais. A importância da doação financeira foi reforçada pelo presidente do Sindicato Rural de Rosário do Sul, Ayrton Oliveira Marçal, que afirmou que a ajuda de custo para a manutenção do trabalho é mínima, comparada aos resultados gerados pela Força Tarefa.

    Boletim de Ocorrência

    Na ocasião, foi ressaltado, tanto pelo delegado, quanto pelo presidente da Associação Rural, a importância dos produtores vítimas de abigeato denunciarem o crime através do Boletim de Ocorrência, uma vez que, é a partir dos registros que as investigações tomam forma, com base em localização, tipo de crime, características, entre outras informações fundamentais.

    Os produtores podem registrar o Boletim de Ocorrência de forma presencial, numa delegacia de polícia, ou online, através do endereço https://www.delegaciaonline.rs.gov.br, ou, ainda, junto a Associação e Sindicato Rural de Bagé, pelo telefone (53) 3242 8888.

    Números da Força Tarefa

    • 113 prisões de criminosos que atacaram produtores e trabalhadores do campo;
    • 17 quadrilhas de abigeato desarticuladas, dentre elas, algumas da cidade de Pelotas que atuavam há décadas na região de Bagé, especializadas em carnear em média 06 animais bovinos e utilizarem carros roubados;
    • 1 quadrilha desarticulada sediada na cidade Pelotas, especializada em furto e estelionato de arroz e soja, que atacou cidades da serra, região central e fronteira, e gerou prejuízo superior a um milhão de reais a produtores rurais;
    • 843 animais bovinos recuperados;
    • 403 animais bovinos restituídos para vítimas de abigeato;
    • 51 armas apreendidas de indivíduos investigados por abigeato;
    • 11 carros recuperados, produtos de roubos/furtos que eram utilizados por quadrilhas criminosas, e outros 14 apreendidos por estarem sendo utilizados para crimes no campo;
    • 13 caminhões apreendidos, destes, 03 eram clonados;
    • Mais de 13.500 animais bovinos inspecionados em propriedades rurais de indivíduos investigados por abigeato;
    • Mais de 35 toneladas de carne apreendidas em investigações da Força Tarefa.

    Assessoria de Imprensa – Sindicato Rural de Bagé


    Warning: A non-numeric value encountered in /home/qwerty/www/wp-content/themes/newspaper-original/includes/wp_booster/td_block.php on line 1009