BM presta homenagem a policial morto em “fogo amigo” na noite de ontem em Putinga, no Vale do Taquari

    (Foto: Qwerty Portal de Notícias)

    A Brigada Militar e a Polícia Civil apuram o incidente de “fogo amigo” ocorrido na noite desta quarta-feira (7), em Putinga, no Vale do Taquari. Os policiais seguem nas buscas aos criminosos que assaltaram durante a tarde de ontem as agências bancárias do Sicredi e do Banrisul. Em meio à escuridão, mata fechada e tempo instável, o policial militar Geferson Rosolen, 28 anos, e o policial civil Renan Gonçalves, 29 anos, trocaram tiros ao não se reconhecerem e um confundindo o outro com um dos bandidos refugiados na região.

    O policial militar acabou baleado e morreu quando estava sendo levado ao hospital; enquanto o agente, que estava com uma viatura discreta na área, ficou ferido na perna e foi hospitalizado. O episódio provocou forte comoção nas duas corporações. As investigações devem agora esclarecer o que ocorreu e servir para que fato semelhante não aconteça novamente.

    O velório e sepultamento do soldado Geferson Rosolen foram realizados na tarde desta quinta-feira (8), no cemitério municipal na cidade de Vespasiano Corrêa. No horário do enterro, às 15h, todas as unidades da Brigada Militar, com exceção daquelas em atendimento de ocorrências, prestaram homenagem ao PM morto, com um minuto de silêncio e sirenes e sinais luminosos acionados.

    As buscas à quadrilha que atacou as duas agências bancárias foram mantidas na região. Na quarta-feira, um integrante da quadrilha foi capturado quando provavelmente resgataria os cinco cúmplices nos matagais. Houve a apreensão de um Ford Ka. Em Porto Alegre, o delegado Joel Wagner, do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil, afirmou que o grupo criminoso é oriundo de Caxias do Sul.