Em reunião da Frente do Trânsito Seguro, coordenador do Maio Amarelo defende retorno da PRF ao município

    (Da esq. para direita: vereadora Rosemeri, presidente do Cetran, Luiz Noé, vereador Ricardo Schluter e deputada Liziane)

    Durante este mês, são realizadas atividades alusivas ao “Maio Amarelo”, movimento global que objetiva a conscientização no trânsito. Ontem, sexta-feira (19), ocorreu a segunda reunião da Frente Parlamentar do Trânsito Seguro, iniciativa do vereador Ricardo Schluter (PMDB). A deputada estadual Liziane Bayer (PSB) discorreu sobre as atividades realizadas pela Frente Parlamentar do Trânsito Seguro – em âmbito estadual – que preside na Assembleia Legislativa.

    Antes, os parlamentares presentes e representantes dos órgãos de segurança tiveram a oportunidade de utilizar a palavra. Destaca-se o coordenador do Movimento Maio Amarelo, Alex Moreira, que defendeu enfaticamente o retorno da Polícia Rodoviária Federal (PRF) ao município, lembrando que o posto está abandonado e sendo vandalizado; além da criação de uma guarda municipal, pois aponta que a Brigada Militar deve colocar seu foco no combate ao crime e não a fiscalização do trânsito.

    A deputada Liziane elogiou a atitude de Ricardo ao criar a Frente Parlamentar no âmbito municipal: “Tivemos uma reunião da Frente Estadual. Dois dias depois, o Ricardo criou uma no município. É assim que as coisas precisam ser feitas“, disse a deputada. Durante sua explanação, ela mostrou as atividades realizadas no Estado, como distribuição de panfletos, desenvolvimento de políticas públicas e palestras.

    Também estava presente Luiz Noé Soares, presidente do Conselho Estadual de Trânsito, que conversou com a reportagem da Qwerty Portal de Notícias. Questionado sobre a importância do debate em relação ao trânsito num município com quase 22 mil veículos, Noé salienta que a mobilidade urbana deve ser discutida indiferente das características da cidade. “Dom Pedrito é uma cidade média. Além disso, quanto maior a cidade, mais conflito se tem nas ruas, pois as pessoas disputam o mesmo espaço. É a terceira vez que venho a Dom Pedrito. Sinto a vontade da comunidade em discutir este tema, um reflexo disso é o trabalho que o Alex Moreira já vinha fazendo no Maio Amarelo”, disse Luiz Noé.

    O presidente do Cetran salienta que o Rio Grande do Sul, de forma geral, tem cidades projetadas para pessoas e cavalos. “Se observarmos o eixo central de Dom Pedrito, essas ruas são as iniciais da formação da cidade, precisa-se buscar alternativas para contornar isso”.

    Participaram da reunião representantes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Brigada Militar, Maio Amarelo, Parlamentares e CFC Fenix.