Caminhada marca Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

    Na manhã desta quinta-feira (18), foi realizada uma caminhada pela avenida Barão do Upacaraí, promovida pela Secretaria de Trabalho e Desenvolvimento Social, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica) e Conselho Tutelar, em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Esta data foi escolhida pois, em 18 de maio de 1973, uma menina de 8 anos foi sequestrada, violentada e cruelmente assassinada no Espírito Santo.

    Puxados pela banda da 3ª Companhia de Engenharia, com apoio da Brigada Militar, os participantes da caminhada (organizadores, educandários, poder público e representantes de entidades e instituições) percorreram a avenida Barão do Upacaraí até o calçadão da praça General Osório. Os conselheiros tutelares, na oportunidade, distribuíram folders objetivando a conscientização dos munícipes.

    A reportagem da Qwerty Portal de Notícias conversou com a secretária de Trabalho e Desenvolvimento Social, Evanda Fenner Massirer. A secretária salienta que o objetivo é chamar atenção da comunidade para o problema. “Contamos com a parceria do Conselho Tutelar para fazer o primeiro atendimento (as vítimas de violência). A Secretaria, através do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), conta com uma equipe especializada para fazer o acompanhamento destas situações”, ressaltou a secretária.

    O presidente do Conselho Tutelar, Rodrigo Barbosa da Fontoura, questionado se casos de abuso sexual são recorrentes, diz que lamentavelmente esta é uma realidade quase diária. “A comunidade não deve ser conivente com este tipo de crime, que é muito frequente em Dom Pedrito. Nos deparamos com estes crimes no Conselho Tutelar. Creio que a Polícia Civil também tenha conhecimento destes dados, pois é feita uma investigação”.

    Fontoura também enfatiza que a denúncia pode ser feita de várias formas: através das polícias ou pelo Conselho Tutelar, mais diretamente (com o devido anonimato do denunciante). Outra alternativa é o “disque 100”. “O disque 100 chega ao Conselho Tutelar e ao Ministério Público, dependendo do caso, até a polícia. O canal é dedicado apenas a denúncias deste tipo”, aponta o presidente.

    Como funciona

    O Disque 100 funciona diariamente das 8h às 22h, inclusive nos fins de semana e feriados. As denúncias recebidas são analisadas e encaminhadas aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização, de acordo com a competência e as atribuições específicas, priorizando o Conselho Tutelar como porta de entrada (nas situações de crianças e adolescentes), no prazo de 24 horas, mantendo em sigilo a identidade da pessoa denunciante. As ligações são gratuitas.