Justiça condena Wesklei César Cabral “Seco” à seis anos de reclusão em regime fechado por tráfico de drogas

    A Justiça condenou na semana passada, Wesklei César Cabral Leon “Seco” a seis anos de reclusão, em regime fechado e uma multa de R$ 17.600,00 pelo crime de tráfico de drogas. De acordo com a decisão do Juiz da 1ª Vara da Comarca de Dom Pedrito, Wesklei foi acusado pelo Ministério Público de, no dia 20 de agosto de 2016, carregar consigo duas trouxinhas de cocaína e R$ 202,00 (em notas de R$50,00 (2), R$20,00 (3), R$10,00 (3) R$5,00 (2) e R$2,00) nas imediações do bar 24hs, na Avenida Barão do Upacaraí. Na oportunidade, o acusado foi preso em flagrante, mas acabou sendo liberado sem a lavratura da delegada plantonista. Mas, dois dias depois, acabou sendo recolhido ao Presídio Estadual de Dom Pedrito, por força da decretação de sua prisão preventiva.

     

    Dosimetria da pena

    De acordo com o Juiz, “malgrado a maior censurabilidade da conduta, pois o condenado estava no gozo de livramento condicional, valendo-se do benefício para traficar, o fato é que é pequeníssimo traficante, que agiu após ter perdido o emprego, o que afasta a necessidade de majorar a pena-base, motivo pelo qual resta fixada no mínimo-legal de 5 anos de reclusão. Presente a multi-reincidência, agrava-se a aflitiva em 1 ano, a qual resta finalizada em 6 anos de reclusão, já que a anterior condenação inviabiliza o reconhecimento da minorante do pequeno traficante. Face à reincidência, fixa-se o regime fechado”.

    Relembre o caso

    Na manhã de segunda-feira (22/08/2016), uma ação conjunta entre Polícia Civil e Setor de Inteligência da Brigada Militar resultou na prisão de Wesklei Cesar Cabral Leon, vulgo Seco, indivíduo com diversas passagens pela Polícia pelos mais diversos crimes. Wesklei, já havia sido detido na madrugada de sábado (20/08/2016), pela Brigada Militar. Na ocasião, os policiais apreenderam entorpecentes pertencentes a Seco, que foram somados a materiais de investigação da Polícia Civil, possibilitando que a delegada Daniela Barbosa de Borba representasse pela prisão preventiva do acusado, e que foi decretada pelo Poder Judiciário.

    Por volta das 7h daquela manhã, os policiais civis e militares cumpriram mandado de prisão preventiva na casa de Wesklei. Na casa, além do individúo, estavam dois adolescentes que respondem por uma tentativa de homicídio ocorrida recentemente e integram uma conhecida gangue da cidade. Eles desacataram os agentes e foram levados à delegacia de polícia para ser feito registro por desacato. Na DP, Seco desacatou um policial e também responderá por desacato. Após registro de ocorrência, o indivíduo foi recolhido ao Presídio Estadual de Dom Pedrito, onde está à disposição da Justiça.