Aparição de cobras na zona urbana preocupa moradores; município não dispõe de soro antiofídico

    A aparição de cobras na zona urbana é um motivo de preocupação para muitos pedritenses, principalmente nos bairros, onde a ocorrência destes animais têm sido seguidamente relatada. Somado a isso, Dom Pedrito também não dispõe do soro antiofídico, utilizado para tratar mordidas de cobras venenosas, caso da cruzeira, com aparições recentes na zona urbana. A falta do soro tem sido abordada seguidamente pelo vereador Diego da Rosa Cruz (PP), em seus pronunciamentos na Câmara de Vereadores.

    Na sessão de ontem (27), o parlamentar retornou ao tema. “Nos últimos dias, foram 18 cruzeiras mortas na cidade. Não temos uma dose de soro na cidade, a hora que ocorrer um acidente, vai vir à cobrança. Tenho pedido e espero que seja ouvido, não é brincadeira, relato de pessoas, tomando mate, vai à cozinha e tem uma cruzeira debaixo da mesa”, disse o vereador. Cruz também lembrou que algumas localidades, no interior, são distantes do município, somado ao tempo em que se leva para chegar à sede de Dom Pedrito, mais o encaminhamento até Bagé, a pessoa picada por um animal peçonhento poderia não resistir.

    A reportagem da Qwerty Portal de Notícias entrou em contato com Raquel Stochero, responsável pela Sala de Vacinas do Posto de Saúde, e ela confirmou a informação de que o município não dispõe do soro, e que, por orientação da 7ª Coordenadoria Regional de Saúde, ao qual o município está vinculado, as ampolas estão centralizadas na Santa Casa de Bagé. Tentamos contato com a Coordenadoria, mas não obtivemos retorno.

    Veja o pronunciamento completo do parlamentar