Casal tem residência incendiada e pede ajuda à sociedade em Santana do Livramento

    Um casal perdeu tudo o que tinha em um incêndio ocorrido na noite de 03 de outubro, no bairro Progresso, em Sant’Ana do Livramento. Na casa moravam três pessoas: Silvana da Silva, 30 anos, Oneide da Silva, 30 anos e uma criança de 12 anos. Porém nenhum deles estavam no local no momento do incêndio.

    Diante desse fato, inúmeras pessoas entraram em contato com o Jornal A Plateia, como vizinhos, amigos e, inclusive, as vítimas do incêndio, para solicitar a ajuda dos santanenses, pois a família perdeu todos os bens domésticos – inclusive a casa foi quase que toda destruída pelas chamas.

    Em entrevista realizada ontem com os donos da casa, Silvana e Oneide, os mesmos  suspeitam ser um incêndio criminoso e descartam a possibilidade de um curto-circuito, pois a casa não possuía luz. “Não tinha ninguém em casa, a rua é escura, arrombaram a janela do quarto do meu filho, entraram e queimaram tudo. Perdemos tudo. Quando chegamos, os bombeiros já estavam no local. Os vizinhos não viram nada. É triste chegar em casa e não ter mais casa. Meu filho chorou muito e está traumatizado. Estamos dormindo na cozinha, que foi o único local que não queimou. Meu filho está na casa da avó, eu e meu marido ficamos aqui. Temos a ajuda dos vizinhos, da nossa família, todos estão ajudando com o pouco que têm. Recebemos doações de roupas, de algumas comidas, pois tudo que tínhamos o fogo queimou. Está sendo bem difícil, pois eu trabalho com faxina e meu marido trabalha na horta, corta lenha e o que ganhamos é muito pouco e estamos usando o dinheiro para nos alimentar,” contou Silvana.

    Segundo Oneide, o que vier de doações será bem recebido. “ Nós precisamos de ajuda, somente isso. O teto da casa caiu, precisamos de zinco, telhas, lajotas, madeira, cimento, o que for. Nada precisa ser novo. Se sobrou algo em alguma obra e que queiram nos doar, aceitamos com muita alegria porque qualquer ajuda é bem-vinda, perdemos tudo. Já ganhamos algumas folhas de zinco e algumas madeiras de eucalipto e eu mesmo vou reconstruir. Imagina, perder tudo de uma hora para outra? É muito complicado.” Silvana ainda complementa, “meu filho está com medo, chora, sonha com fogo, perdeu as roupas e todo material escolar. Somos pobres, não é feio pedir ajuda, precisamos de ajuda, não temos colchão, não temos cama, não temos mais nada, só esperança.”

    Para interessados em ajudar esse casal, entrar em contato pelo número  55-99064678. Para quem preferir ir até o local: rua Dilhermano Coelho Brizola, nº 58, bairro Progresso.

    Por: Marthina Martins/A Plateia