Operação contra comércio ilegal fiscaliza oito estabelecimentos em Bagé

    Anderson Ribeiro/FS

    Uma operação de combate ao comércio ilegal de produtos de origem animal realizada ontem, em Bagé, culminou com a apreensão de mais de 70 quilos de derivados de carne e abordagem a 50 veículos. Ao todo, oito estabelecimentos foram vistoriados – localizados nos bairros Ivone, Passo das Pedras, Castro Alves e centro.

    Conforme o responsável pelo grupo de Ações Integradas de Segurança Rural (Acinser), Reni Dorneles, foram encontrados, também, estabelecimentos que não possuíam o Serviço de Inspeção Municipal (SIM). “Tinha charque pendurado em arame nos fundos do pátio e produtos vencidos, como queijo, mortadela, iogurte e catchup”, relatou.

    Dorneles explica que as visitações e orientações irão continuar de forma periódica. “Queremos que nossos comerciantes estejam completamente regulares. É questão de saúde. Passamos por lugares sem condições de higienização. O consumidor precisa de um produto de qualidade”, salienta.

    Detalhes
    A fiscalização reuniu agentes da Polícia Civil, Brigada Militar, Vigilância Sanitária, Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SMDet), da Fazenda, da Saúde e de Transporte e Circulação, Corpo de Bombeiros, Polícia Rodoviária Estadual (PRE), além de membros dos setores tributários do Estado.

    A SMTC, por exemplo, abordou 22 veículos. Destes, cinco estavam irregulares: ou o motorista não tinha carteira nacional de habilitação ou o licenciamento estava vencido.
    Já a PRE realizou 28 abordagens em veículos, fiscalizando cerca de 40 pessoas. Foram feitos sete autos de infração. O objetivo, além de verificar a documentação, foi fiscalizar os carregamentos.

    Nos estabelecimentos comerciais foram apreendidos 30 quilos de carne de frango, mais de 18 quilos de charque e quase 22 quilos de linguiça. Além disso, outros produtos com prazo de validade vencida foram identificados.

    O Corpo de Bombeiros realizou três notificações por falta de alvarás e o setores de ICM e Fiscalização Tributária aplicaram três intimações formais.

    Folha do Sul