Homem é preso acusado de furtar um capão da fazenda onde trabalha

    15/setembro/2016 às 19h42min
     Atualizado sexta-feira, dia 16 de setembro de 2016 às 20h21min

    No início da tarde de hoje (15), por volta das 12h15, a Brigada Militar recebeu e ligação de um proprietário rural, informando que havia suspeita de que o capataz da estância teria levado um capão a mais do que ele havia acertado com o acusado.

    O proprietário disse ainda que a informação partiu do administrador da estância, acrescentado que ele estaria se deslocando para a cidade num veículo Fiat Uno branco. Com base nas informações do proprietário, a Brigada Militar abordou o veículo na estrada do Ponche Verde.

    Dentro do carro, os policiais encontraram dois capões carneados, congelados e embalados em sacos plásticos. Além disso, o condutor não tinha Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Indagado sobre os capões, o acusado de 41 anos disse que o administrador havia lhe vendido os dois capões, e que ele pagaria um deles ainda este mês e outro em outubro. O mesmo também não portava nota de produtor referente aos animais.

    Os policiais ainda entraram em contato com o administrador, mas ele informou que havia autorizado a pegar apenas um animal. Após esclarecimentos aos policiais militares, ele foi conduzido à Delegacia de Polícia, onde o dono do estabelecimento deu um depoimento contrário.

    De acordo com o proprietário, um dos capões realmente foi solicitado pelo acusado, mas o segundo teria sido sem a sua autorização. A delegada de polícia Daniela Barbosa de Borba, ainda ouviu mais duas testemunhas da propriedade, que confirmaram a versão do dono, e que realmente o segundo capão não fazia parte do pedido do acusado.

    Com base nos depoimentos, a delegada determinou lavratura de flagrante por furto conforme artigo 155, com pena prevista de dois a cinco anos, inafiançável, motivo pelo qual o acusado foi encaminhado ao Presídio Estadual de Dom Pedrito.

    A Vigilância Sanitária também foi acionada e compareceu a delegacia, onde foram entregues as carnes apreendidas para que fossem encaminhadas para incineração.