Bancários entram em greve a partir de terça-feira

    Seguindo a tendência nacional, os bancários deflagraram greve a partir da próxima semana. Em assembleia realizada na noite de ontem no Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Alimentação (STIA), a categoria votou pela paralisação, por tempo indeterminado, a partir da zero hora do dia 6, após ter suas reivindicações negadas pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

    A decisão foi tomada após as diversas tentativas de negociação com os representantes patronais, que não surtiram a resposta que os bancários aguardavam. A exigência da categoria é de reposição da inflação – que se aproxima da ordem de 9.7% – mais 5% de aumento real, totalizando 14,78%.

    Além disso, também é exigida a reformulação da Participação dos Lucros e Resultados (PLR), com a alegação de que a proporção do crescimento das instituições financeiras não é igual à distribuição de ganhos.

    Contudo, a contraproposta apresentada pela federação foi de 6,5% e abono de R$ 3 mil. “Essa proposta não chega nem perto da inflação do período. Estamos reivindicando, no mínimo, a reposição da inflação”, afirmou o presidente do Sindicato Regional dos Bancários, Nilton Dias.

    Assim como nas outras assembleias realizadas no resto do país, os bancários rejeitaram a proposta e aprovaram a deflagração da greve nacional. A partir desta data, apenas os serviços de autoatendimento estarão disponíveis aos clientes do banco.

    Um novo encontro da categoria foi marcado para segunda-feira, dia 5, para organizar a greve nos demais municípios da região, também abrangidos pelo sindicato, como Hulha Negra, Candiota, Aceguá, Lavras do Sul, Dom Pedrito, Pinheiro e Caçapava do Sul.

    Melissa Louçan / Jornal Minuano