Prefeito de Lavras do Sul desabafa: “Estou desiludido”

    30/agosto/2016 às 15h50min
     Atualizado terça-feira, dia 30 de agosto de 2016 às 17h14min
    Lázaro Souza/ Arquivo Jornal Minuano

    O prefeito de Lavras do Sul, Alfredo Borges, diz não ter qualquer perspectiva de retomada da obra de asfaltamento da RSC-473, que liga o município com Bagé. No início do ano, o secretário de Transportes do Rio Grande do Sul, Pedro Westphalen, afirmou que a intervenção estava entre as prioridades do governo; porém não apresentou uma data para o recomeço das atividades.

    Borges garante que mantém contato com o secretário e que não vislumbra, a curto prazo, uma solução – pelo menos que seja apresentava pelo executivo do Estado. “Só vejo por meio da iniciativa privada”, ponderou, ao lembrar que, em 2018, de 35 a 40 carretas passarão, por dia, pelo trajeto – os veículos transportarão fosfato para a cidade de Rio Grande.

    A fala justifica a urgência por investimentos. O chefe do Executivo, inclusive, opina: não seria necessário asfaltar o trajeto, mas melhorá-lo. Ao mesmo tempo que, para isso, considera a intervenção da iniciativa privada, e pondera que há entraves decorrentes do processo licitatório vigente.

    “Eu perdi as esperanças”, afirmou. “Não vejo uma real intenção (por parte do governo)”, acrescentou. Ele justificou ao avaliar que o governo não consegue cumprir com a folha de pagamento ou com os repasses ao município para garantir serviços de saúde. “Estou desiludido”, disse. “Uma obra que é prometida há anos e que não acontece é um absurdo, uma indignação para a gente. É muito difícil”, completou ao concluir: “Não há sinais de recomeço desta obra”.

    A RSC-473, que liga Bagé ao município de Lavras do Sul, apresenta, constantemente, péssimas condições de trafegabilidade. A pavimentação de 22,7 quilômetros, do trecho que liga o distrito de Torquato Severo, em Dom Pedrito, com a BR-293, na Rainha da Fronteira, começou em 2012. Parou por entraves burocráticos. Chegou a recomeçar em 2013, mas a conclusão que estava prevista para agosto de 2014 nem chegou perto de se concretizar.

    Jornal Folha do Sul