Patar aborda dois homens em um veículo na BR 293 com 16 borregos em seu interior

    24/agosto/2016 às 17h40min
     Atualizado quinta-feira, dia 25 de agosto de 2016 às 00h50min

    No início da tarde desta quarta-feira (24), por volta das 14h, uma guarnição na Patar (Patrulha Rural) da Brigada Militar abordou uma Toyota Hilux SW4 de cor azul, com placa de Santana do Livramento, no KM 238 da BR 293, próximo ao trevo de acesso à Urcamp. Dentro do veículo os policiais encontraram junto com o condutor e o passageiro 16 borregos recém paridos que estavam na parte de trás da caminhonete.

    Indagados sobre a nota fiscal de procedência e a guia de transporte dos animais (GTA), o condutor de nome José informou que havia comprado os animais do passageiro, identificado como Jorge, que também não possuía guia de transporte porque, segundo ele, os animais seriam de uma pessoa chamada Breno, o qual havia vendido cerca de 60 ovelhas para um frigorífico de Santa Catarina e, como comissão, haveria dado 30 borregos para Jorge, que fez a intermediação da venda das ovelhas.

    O condutor disse também que não pegou a nota modelo 15 e a guia com Jorge, porque na Inspetoria Veterinária informaram que ele não poderia fornecer-las por não possuir animais lotados em seu nome.

    De acordo com os policiais, a denúncia foi recebida ontem (23) e, conforme o denunciante, estariam chegando aproximadamente 40 animais (borregos) em uma residência situada na Avenida Rio Branco, próximo à Rádio Upacaraí, e que esses animais seriam provavelmente oriundos de abigeato.

    Diante disso, foi repassada a informação para o comando do esquadrão, que montou uma campana através do Serviço de Inteligência para verificar qual seria o destino dos animais.

    No início da tarde de hoje, foi informado pela equipe que uma caminhonete estaria carregando os animais. Após a saída do local, o veículo foi acompanhado, sendo abordado pela guarnição da Patar na BR 293.

    Os animais e os envolvidos foram encaminhados à Delegacia de Polícia para registro, e no local decidiram ir até a residência de Jorge para verificar os outros 14 animais que estariam faltando nas contas dos trinta recebidos de Breno.

    Na residência, foram encontrados mais sete borregos vivos e um abatido de forma clandestina, motivo pelo qual foi acionada a Vigilância Sanitária. Após o registro, os animais ficaram com José, sendo o fiel depositário de todos os borregos até que tudo fique esclarecido. Todos foram ouvidos e logo após liberados.