Acusados de tentativa de homicídio ocorrida em outubro de 2015 são pronunciados pela Justiça

    9/agosto/2016 às 15h39min
     Atualizado segunda-feira, dia 22 de agosto de 2016 às 15h34min

    Os dois acusados de tentativa de homicídio ocorrido em outubro de 2015, no interior do Salão Piato D’oro, foram pronunciados pela Justiça e irão a Júri Popular. De acordo com a decisão judicial, o pedido do Ministerial foi atendido em três dos sete requisitos do processo:

    1º – Pronunciar Vinícius Alves, vulgo “Sub”, e Luís Henrique Gravi Silveira, vulgo “Rick” pela tentativa de homicídio qualificada pela intenção de assegurar impunidade nos delitos, capitulando a conduta no art. 121, §2°, V, (Matar alguém, se o homicídio é cometido para assegurar a execução, ocultação, impunidade ou vantagem de outro crime) c/c art. 14, II, (Tentativa de homicídio não consumada) do Código Penal;

    2º – Pronunciar Luis Henrique Gravi Silveira, vulgo “Rick” pela tentativa de homicídio qualificado pelo motivo fútil e pelo emprego de meio que resultou perigo comum de pelo menos quatro vítimas, capitulando as condutas também nos artigos 121 c/c art. 14 do Código Penal;

    3º- pronunciar Luis Henrique Gravi Silveira, vulgo “Rick”, pela tentativa de homicídio de uma das vítimas, capitulando a conduta no art. 121, caput, c/c art. 14, II, do Código Penal.

    O que diz a defesa dos réus

    No final da tarde desta terça-feira (09), nossa reportagem foi procurada pela defesa do acusado Luis Henrique Gravi. De acordo com a advogada Mara Brum, “foi interposto um recurso em sentido estrito no dia 12 de julho de 2016, referente a pronuncia de Rick, e já recebido pelo Juiz.

    Da mesma forma, segundo Mara, a Defensora Pública por parte de Vinicius Alves, também interpôs o mesmo recurso no 15 de julho. “Com isso, o processo volta para uma reanálise do Judiciário, que irá avaliar ambos, recebendo os autos conclusos para o Juízo de retratação, ou seja, podendo ser absolvidos sumariamente (impronunciados) ou manter a sentença de pronúncia, e neste caso, remetendo-os os autos para o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, onde eles poderão ser impronunciados ou ser mantida a decisão da 1ª Vara da Comarca de Dom Pedrito”, disse a advogada.

    Relembre o caso:

    Uma briga no interior do Salão de Festas da Piato D’oro deixou cinco pessoas com ferimentos na madrugada de domingo (11), por volta das 4h30. Segundo boletim de ocorrência registrado na Delegacia de Polícia, um indivíduo já conhecido da Polícia e morador do bairro Promorar, conhecido como “Rick”, seria o autor do crime. Logo depois, as autoridades descobririam que ele estava acompanhado de Vinicius Alves, que foi preso na noite de domingo. Conforme registro, a briga teria iniciado entre Rick e Dionatan da Silva Munhoz, “Mancha”, 20 anos de idade, que levou três tiros – sendo dois no abdômen e um no braço esquerdo e foi encaminhado para Bagé. O segurança Edilon Machado Bueno, que estava em seu primeiro dia de trabalho, foi alvejado no abdômen e encaminhado em estado grave à Bagé.

    Outro segurança, Lucas Machado Dutra, de 24 anos, acabou levando um tiro no cotovelo direito e foi encaminhado à Bagé. Uma bala perdida acabou alvejando a perna esquerda de Maurício Rodrigues Romã, 22 anos, que teve que ser encaminhado à Bagé. Em meio ao tumulto, André Machado Pires, 32 anos, foi ferido com golpes de faca na perna e na mão direita, e foi o único a ser atendido e liberado.