Congresso em Porto Alegre aborda participação das mulheres no setor de informática

    Divulgação

    Iniciou nesta segunda-feira (04), O XXXVI Congresso da Sociedade Brasileira de Computação (CSCB), no Centro de Eventos da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC), na Avenida Ipiranga, 6.681, bairro Partenon. O evento ocorre de 04 à 07 de julho.

    o CSCB 2016 promoverá espaços para trocas, discussões e construções na comunidade, de maneira a aumentar a sinergia na busca de soluções efetivamente interdisciplinares para os complexos problemas que emergem na sociedade atual.

    Um dos setores mais promissores hoje no Brasil, é o de informática, e uma situação vem preocupando a sociedade: quase todas as vagas nesse área acabam sendo preenchidas somente por homens.

    Mas porque será que existe tão poucas mulheres procurando este setor? Para se ter uma ideia, de cada 100 vagas, menos de dez são ocupadas por elas; fato que inicia nas universidades. Hoje, além de emprego, existem cursos gratuitos para mulheres que tem vontade de atuar no ramo.

    Justamente este congresso iniciado hoje estará debatendo, principalmente, a participação das mulheres neste mercado cheio de alternativas. E, de acordo com a avaliação da Sociedade Brasileira de Computação, que está promovendo o evento, é que para atrair mais mulheres, elas primeiro precisam ser “provocadas” desde cedo, lá na escola.

    Segunda dados da Sociedade Brasileira, 1.000.000 de pessoas trabalham com informática, mas menos de 10% destas pessoas são mulheres. Nas universidades, o ingresso delas também é menor que este percentual.

    Hoje, muitas empresas estão com dificuldades de conseguir mão de obra qualificada. Mais difícil ainda quando se procura por mulheres para preencher essas vagas. Algumas empresas chegam a fazer programas específicos para atraí-las.

    De acordo com pesquisas realizadas com algumas mulheres, um dos principais motivos para a baixa procura é o preconceito sofrido pelos homens; incluindo, entre eles, professores e colegas de sala de aula.

    Vale lembrar que as mulheres são muito importantes para esta área, pois possuem uma forma de pensar mais ampla, o que ajuda a realizar diversas atividades ao mesmo tempo, por exemplo. A falta delas neste ramo irá fazer com que o Brasil, em termos econômicos, daqui há uns dez ou vinte anos, fique para trás.