Pai e madrasta voltam a Livramento para primeira audiência

    28/junho/2016 às 13h30min
     Atualizado terça-feira, dia 28 de junho de 2016 às 22h50min
    Marcelo Pinto/AP

    Na tarde de ontem (27), o Fórum de Livramento recebeu os réus do caso Thayná; Mariano dos Santos Aires (pai da vítima) e Lúcia Helena Silveira (madrasta), que estão encarcerados no Presídio de Uruguaiana para a primeira audiência de instrução, na qual parte das testemunhas foram ouvidas, porém, os dois acusados da morte da menina ainda tiveram a oportunidade de falar com o juiz e o promotor de Justiça.

    Os dois réus só darão seus depoimentos após a última testemunha ser ouvida, em uma audiência sem data marcada. O Jornal A Plateia teve acesso à parte da audiência, onde acompanhou o relato do médico e da enfermeira que atenderam a vítima, além do homem que deu carona para levar Thayná até a Hospital e do policial que capturou o pai da menina.

    Os testemunhos confirmaram as primeiras informações sobre a morte por traumatismo craniano. Também foi confirmado, pelas palavras da enfermeira, que quando a criança chegou ao Pronto Socorro da Santa Casa, ela já estava morta.

    Outro detalhe colhido através os questionamentos feitos pelo Ministério Público e pelo juiz Gildo Meneguello, que conduziu a audiência, foi que a vítima Thayna Rayane, de 4 anos, estava com o corpo cheio de escoriações e que sua morte, por traumatismo craniano, deu-se após um impacto muito forte. Além da lesão interna no crânio, o couro cabeludo da menina estava com hematomas.

    Após a audiência, os dois réus retornaram para Uruguaiana levados pela SUSEPE. Familiares da madrasta que ficaram do lado de fora da audiência queriam um contato maior com a ré, o que foi negado, causando revolta nas filhas de Luciana que chegaram a proferir palavras de baixo calão para os agentes da SUSEPE.

    Jornal A Plateia