Em tempos de crise e desemprego, veja o que quatro jovens inclusos no mercado de trabalho falam em entrevista exclusiva ao Portal Qwerty

15/junho/2016 às 15h11min
 Atualizado quinta-feira, dia 16 de junho de 2016 às 16h28min
Renato Bianchin, 25 anos, atualmente é gerente de redes da Qwerty Telecom e professor no curso técnico em informática da Qwerty Escola. Ele iniciou a trabalhar na empresa aos 16 anos como estagiário

Em tempos em que o assunto principal é a crise e o grande número de desempregados no Brasil, decidimos ouvir os jovens que buscaram qualificação profissional para estarem inclusos hoje no mercado de trabalho. Iremos contar quatro histórias diferentes, porém semelhantes, devido à força de vontade dessas pessoas que buscaram se qualificar desde cedo, para hoje colherem bons frutos como colaboradores de suas respectivas empresas.

Renato Bianchin, 25 anos, atualmente é gerente de redes da Qwerty Telecom e professor no curso técnico em informática da Qwerty Escola de Educação Profissional. Ele está na empresa desde os 16 anos, quando iniciou como estagiário. Para ele, existem diversos fatores que contribuíram em todos esses anos de serviços prestados à empresa. “Comecei o estágio após a formação de um curso técnico. Quando estava finalizando o estágio fui convidado a fazer parte do grupo de colaboradores”, lembra Renato.

“Os fatores mais importantes da minha permanência foram adaptação ao mercado de trabalho e a busca constante por conhecimento. Sempre que possível estou estudando e me atualizando sobre assuntos relevantes e importantes na área. Outro fator importante foi o excelente ambiente de trabalho e as oportunidades que foram oferecidas a mim durante esses anos”, acredita.

Segundo ele, hoje há muitas oportunidades no mercado de trabalho. “Apesar do momento que estamos passando ser um pouco complicado, existem muitas vagas abertas em diversos setores. O que está faltando é um profissional que tenha alguma capacitação na área e comprometimento com a função”.

Ainda conforme Renato, hoje em dia uma formação técnica ou cursos complementares são de essencial importância, pois conhecimento nunca é demais. “Não que necessariamente vá trabalhar na área de formação, mas ajuda e muito em pequenas situações do dia a dia”, diz.

Ele ainda finalizou a entrevista ressaltando que, ”assim como os profissionais mudaram durante os anos, as empresas mudaram junto. Acredito que muitas empresas estão apostando nos jovens, para seu crescimento. Então, o importante é se qualificar para se diferenciar e assim encontrar uma oportunidade mais facilmente”.

Julia Comasetto, 18 anos, cursou gestão empresarial e informática. Ela diz que decidiu fazer cursos e buscar qualificação profissional pensando em seu futuro e nos benefícios que um curso poderia lhe gerar. Além das oportunidades que ela iria passar a ter no mercado de trabalho.

Ela acredita que, atualmente, uma grande maioria de jovens demonstra interesse em buscar qualificação, ainda mais com a crise no mercado de trabalho. “Os jovens têm que realizar mais cursos, pois acredito que as empresas dão mais oportunidades pros que apresentam cursos profissionalizantes no currículo. Então isso faz com que aqueles jovens que realmente buscam vagas de empregos busquem por um curso”, diz Julia.

O que achas que foi fundamental para estar inclusa no mercado de trabalho hoje?

Meu curso de gestão empresarial foi a peça chave. Foi onde eu adquiri todo meu conhecimento necessário para estar na minha atual área de trabalho. E todo mérito também ao professor Júnior Alves, da Qwerty Escola, um excelente educador, que ensina de uma maneira única e incrível. Foi ele quem abriu as portas do mercado de trabalho pra mim, me indicando a fazer um estágio onde permaneço até hoje.

Natan Cunha, 17 anos, formou-se em técnico em informática no início deste ano. Segundo ele, no ano de 2014, quando ele havia acabado de se formar no ensino fundamental, já pensava em realizar cursos e obter conhecimento. Natan tem em seu ver que tornar os sonhos realidade é o móbil de todo o ser humano. “Hoje em dia o estudo é tudo, admiro muito os jovens que buscam sempre estarem atualizados e buscando cada vez mais conhecimento. Os jovens do século 21, a grande maioria, não lê e não busca conhecimento, não busca um curso por sua vontade própria”, acredita Natan.

“Sempre tive o pensamento em que adquirir o conhecimento e, durante o curso técnico em informática que realizei na Qwerty Escola, sempre busquei me dedicar ao máximo nas aulas, mas não imaginava no primeiro momento que iria ingressar tão cedo no mercado de trabalho. Durante o curso recebi a oportunidade de um professor para realizar um estágio na Qwerty Telecom, onde hoje sou muito grato a todos. Dentro da empresa exerço a função de suporte técnico. Os jovens dessa nova geração têm que pensar no futuro, sonhar e acreditar que tudo é possível”, finaliza Cunha.

Bruno Antunes, 17 anos, técnico em informática formado pela Qwerty Escola neste ano, trabalha com a parte de design em uma empresa e acredita que grande parte dos jovens não buscam informação. Para Bruno, a maior parte dos jovens não está estudando e, alguns, nem trabalhando, enquanto uma pequena fatia deles buscam cursos para facilitar a vida em busca de emprego e altos cargos administrativos.

“Desde o inicio da adolescência sempre quis ter cursos para ingressar mais facilmente no mercado de trabalho. Depois de anos de batalhas e conhecimento ético e pessoal adquirido, digo que cada segundo de aula valeu a pena, pois só estou empregado hoje graças a minha vontade de aprender”, conta Antunes.

Ele ainda deixa um recado para os jovens que estão lendo essa reportagem. “Jovens de hoje, o futuro está mais perto que pensam, ainda há chances de se ter sucesso profissional, crescer e ter um dia tudo aquilo que sempre quis; mas a vida é muito mais dura do que vocês pensam. Primeiro de tudo é começar plantando para colher exatamente o que plantou. Não deixem a preguiça ou a má vontade atrapalhar o sucesso de cada um, pois cada um, sem exceções, tem um dom dentro de si; seja em informática, agronegócio, jurídico ou administrativo, todos nós temos um caminho designado para o sucesso”, finalizou Bruno.