Conheça a bageense que criou “Indiretas Gaúchas”

    Uma página no Facebook, em menos de 10 dias, conquistou mais de 100 mil “curtidores”. Indiretas Gaúchas foi criada por uma bageense que já não vive no Sul, Thainá Dias Furtado, de 19 anos. É por meio da iniciativa que ela e outros gaúchos e, também, aqueles cidadãos apaixonados pelo Rio Grande do Sul, podem compartilhar expressões e costumes genuínos do Estado.

    Entre as frases, estão aquelas sobre as cidades. Um exemplo é justamente uma das mais curtidas do período: “Gente que é de Bagé”. Há aquelas divertidas, como “Gente que tá pedindo uma garoa com vento” ou “Gente que é mais distraído que argentino em posto de gasolina”. A estudante justifica o sucesso: “As pessoas se identificaram com a página e têm orgulho de compartilhar o que é do Rio Grande do Sul”, diz.

    Sobre a participação massiva dos bageenses ela comenta que, no começo, a maioria dos “curtidores” eram seus conterrâneos. Após o compartilhamento da imagem com a frase “Gente que é de Bagé” (a primeira com maior alcance no Facebook), internautas de outras cidades passaram a solicitar a publicação dos municípios de onde são naturais.

    A demanda diária é enorme, mas a jovem garante gostar de tal interação. Até ontem, o alcance médio das publicações era de 3,4 milhões de usuários do Facebook. Diante disso, foi preciso alterar a rotina para dedicar mais tempo para a Indiretas Gaúchas. Selecionou até um moderador para auxiliar no novo trabalho. “Foram entregues mais de 100 formulários de várias cidades e o escolhido foi o bageense Jorge Fernando Siqueira Freitas”, informa.
    Entre os pedidos, que chegam por mensagens, estão sugestões de novas frases e cidades. Mas o público também solicita produtos e acessórios relacionados. “Ainda não existe uma loja para compra, mas estou organizando e começaremos com um sorteio cuja data será revelada na página”, conta.

    Outras mensagens e comentários pediam que a jovem se revelasse, o que ocorreu, com exclusividade, no Folha do Sul. Isso atende a uma promessa: “Prometi que, após 100 mil curtidas, publicaria minha identidade”. Thainá conta que a maior parte de sua família é bageense. “No final de 2013, fui para o Ceará, onde morei um ano. Após, mudei para Minas Gerais, onde fiquei um ano em Sete Lagoas e, atualmente, vivo em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte”, acrescenta. Se sente saudade do Sul? “Sinto falta da minha família, amigos e do pancho típico da fronteira gaúcha”. Entre as melhores lembranças de Bagé, está a infância no Jardim Monte Carlo.

     

    Jornal Folha do Sul