Presidente do Comdica defende aplicação da lei que criou Compave e Cipaves

    O presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica), advogado Geancarlo Loreto Laus, vem se somando aos que defendem a aplicação da Lei nº 1719, de 25 de maio de 2011, que criou em Dom Pedrito o Programa de Prevenção de Acidentes e Violência nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental localizadas na zona urbana.

    A legislação, iniciativa do GGI-M (Gabinete de Gestão Integrada de Segurança Pública Municipal) quando coordenado por Jorge Vogel e que teve importante apoio da Subseção local da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), chegou a ser aplicada na rede das escolas municipais durante a segunda metade de 2011 e todo o ano de 2012 (no governo do prefeito Chiquinho), através de um projeto piloto que beneficiou 8 escolas; cada qual criando sua própria Cipave (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes e Violência Escolar), que por sua vez eram coordenadas por uma Comissão Municipal, denominada Compave. Mais tarde, o programa chegou a ter algumas reuniões promovidas no início da atual administração, em 2013, mas depois foi desativado.

    “Entendo que esse programa é muito importante, inclusive tenho ido às escolas para defender o retorno da Compave e das Cipaves”, disse Geancarlo nesta terça-feira (10) pela manhã, momentos antes de acontecer uma reunião na Smec onde, entre os assuntos propostos, estava justamente a reativação do programa, por sugestão do presidente do Comdica.

    “Hoje a escola é um segundo lar, onde tem a maior concentração de crianças e adolescentes. Os professores estão sobrecarregados no sentido de atender às suas funções e ainda precisam lidar com a hiperatividade dos alunos. Temos, ainda, a questão da violência e da drogadição. Então, nada melhor do que um programa que ajude a prevenir esses problemas e, também, contribua para resolver as situações quando já estão criadas”, defende Geancarlo.

    Silvio Bermann