Reunião sobre plantões de farmácias acaba sem nenhuma definição

    56fc27cf.jpg

    Aconteceu na manhã desta quarta-feira, dia 30, na Secretaria Municipal de Saúde, a segunda reunião para tratar sobre o início dos plantões 24 horas das farmácias do município. O secretário municipal de saúde, Álvaro Raul Zanolete informou que a comunidade está cobrando o funcionamento de, pelo menos, uma farmácia após a meia-noite – o que facilitaria o acesso a medicamentos que precisam ser adquiridos durante a madrugada.

    Já os proprietários e representantes das empresas justificam que, a pouca procura e o custo de operacionalizar o atendimento, torna inviável o funcionamento após a meia-noite, já que as farmácias terão que arcar com o custo de um farmacêutico de plantão, além da falta de segurança que pode colocar em risco o estabelecimento.

    Durante as conversações surgiu a ideia de que uma das farmácias presentes teria interesse em bancar todos os plantões desde que, as demais fechassem às 22 horas, ficando o domingo como opção de cada uma o seu funcionamento.

    Ficou agendada uma nova reunião para o dia 14 de Abril para definir a situação.

    Vale lembrar que existe uma lei federal 5991/73 que determina que, “As farmácias e drogarias tem obrigação de ter plantão ininterrupto de 24hs”. Além da lei municipal 419 de 17 de junho de 1993 que diz: “Fica o Executivo obrigado a fornecer através da Secretaria de Saúde no início de cada mês, para todas as farmácias do município, a escala de plantão do mês em curso”.

    As farmácias representadas foram: MV Pharma, O Boticário, Farmavida, São João, AM Pharma, Becker, Santa Rita, Mais Econômica, Panvel, e Farma 10.

    Fonte: Assessoria de Imprensa – Prefeitura Municipal

    Setor de jornalismo: portal@qwerty.com.br