Dom Pedrito – Pedritense Diogo Moreira fala sobre a repercussão de seu noivado no Enart

    5655aa74.jpg

    Um dos acontecimentos que mais marcou o Encontro de Artes e Tradição Gaúcha (ENART) foi o noivado do pedritense Diogo Moreira, com o alegretense Henrique Vargas. Os jornais e portais mais importantes do Rio Grande do Sul publicaram o noivado do casal, que está junto há cerca de 11 meses.

    Os dois peões são integrantes de um grupo de danças tradicionalistas de Pelotas. O pedido de noivado ocorreu diante dos colegas de CTG, minutos antes do início da apresentação.

    Abaixo, confira a entrevista que Diogo concedeu à reportagem da Qwerty Portal de Notícias.

    1 – Quando e onde conheceu o Henrique?

    Nos conhecemos no meio tradicionalista, depois começamos a conversar nas redes sociais, e em janeiro de 2015 nos encontramos depois de conversarmos um bom tempo. Mesmo antes de nos conhecer conseguíamos perceber que existia algo especial e diferente de tudo que havia acontecido em nossas vidas amorosas, com o encontro em 5 de janeiro e até o dia de hoje apenas confirmamos nossa percepção.

    2 – Como foi e está sendo a aceitação das pessoas com vocês? (pois se sabe que existe muito preconceito ainda). Ainda falando sobre o preconceito: no meio tradicionalista há muito preconceito?

    Nós nunca havíamos passado por situações constrangedoras nem preconceituosas antes das manchetes, portanto particularmente não poderemos citar fatos vivenciados pessoalmente, mas de ontem pra cá já existem muitas manifestações negativas nas redes sociais. Contudo, essas nem se comparam com as positivas.

    3 – Atualmente vocês moram juntos ou um em cada cidade?

    Atualmente moramos juntos em Pelotas.

    4 – Como surgiu a ideia de fazer o pedido de casamento poucos minutos antes de dançar?

    Estamos há muito tempo envolvidos com o evento (ENART), seja como competidores ou colaboradores. Viemos para pelotas com o intuito de estudar e crescer profissionalmente, contudo diante do convite de alguns amigos decidimos dividir o tablado dançando pela mesma entidade. Tendo em vista que não temos a pretensão de voltar a dançar, o nosso último Enart foi um momento especial, por este motivo decidi tornar mais especial ainda. Além disso, nas fases classificatórias tivemos que tirar as alianças, pois as regras de Indumentária não permitiam o uso de aliança prateadas, por isso a surpresa também fez com que pudéssemos dançar pela última vez no enart com nossas alianças, agora mais importantes ainda.

    5 – E o casamento já tem data marcada?

    Não temos data marcada ainda.

    6 – Quais são os planos para o futuro?

    Foco na vida profissional e familiar, sempre construindo um futuro juntos.

    7 – Um recado que queiras deixar ou algo mais que queira ressaltar para as pessoas que lerem essa entrevista.

    Queremos ressaltar que não tínhamos a intenção de que o noivado tomasse essa repercussão toda, inclusive não o fizemos nem na frente do grupo. Apenas duas colegas de dança viram sem querer e se emocionaram.

    Topamos todas as entrevistas porque desejamos que liberdade, igualdade e humanidade não seja apenas um lema escrito em uma bandeira, queremos que seja colocado em prática (uma menina chamada Caroline Machado, a qual nos conheceu em função das manchetes disse: o lema da bandeira do Rio Grande do Sul é liberdade, igualdade e humanidade, se você não concorda com esse lema, quem não está dentro da tradição é você). Não estamos mudando nenhuma tradição, nem pretendemos fazer isso, logo após a troca de alianças entramos no palco para executar as danças de maneira tradicional. A tradição Gaúcha continua a mesma, não escolhemos um evento tradicionalista para levantar bandeiras e sim por ser importante em nossas vidas.

    Não somos mais vinculados a nenhuma entidade tradicionalista, mas ainda somos tradicionalistas de coração, pois colaboramos muito com o movimento e continuaremos colaborando quando a vida permitir, e sempre respeitaremos todas as tradições que são iguais para héteros e homossexuais. O que desejamos é que todos sejam felizes como são, simples assim, sem medos A vida fica mais fácil e leve quando você se aceita, sem dúvida conhecer a si mesmo é fundamental para a felicidade.

    Reportagem: Elliézer Garcez
    Setor de jornalismo: portal@qwerty.com.br