Dom Pedrito – Menina de um ano precisa de transplante de medula, pais pedem ajuda à comunidade pedritense

    55f1db19.jpg

    A menina Luísa Silveira dos Santos tem apenas um aninho de idade, é filha da pedritense Marijú Alves Silveira e de José Adilson dos Santos Júnior (na foto, Luísa e seus pais), seu avô, também pedritense, é o militar da reserva Sérgio Tarouco Silveira. Luísa é portadora da Síndrome de Kostmann, uma doença rara que só pode ser curada através de um transplante de medula óssea.

    Por conta de uma desordem genética que acomete a medula óssea e também é conhecida como neutropenia, a síndrome implica em que o nível de neutrófilos, um tipo de glóbulo branco que ajuda no combate às infecções, seja muito baixo. Por conta disto, a doença vem sendo combatida por meio de medicamentos, mas que apresentam efeitos colaterais, estimulando muito a produção de glóbulos brancos, o que poderá levar a pequena paciente a contrair leucemia. Em síntese, o único recurso é mesmo o transplante.

    Assim, uma grande campanha está sendo desencadeada nacionalmente, e também em Dom Pedrito, onde Luisinha tem suas raízes, para buscar-se potenciais doadores. Para se cadastrarem, as pessoas devem procurar qualquer um dos Hemocentros regionais distribuídos pelo Estado, entre eles o de Pelotas, ao qual Dom Pedrito está ligado administrativamente. O procedimento é simples, bastando preencher um formulário com dados do doador (levar documentos básicos) e este submeter-se à coleta de uma seringa de sangue. O procedimento todo não dura mais do que 15 minutos. Depois, é torcer para que alguém cadastrado seja identificado como compatível para doar medula óssea à Luísa.

    A boa notícia é que o Hemocentro de Pelotas deverá deslocar a Dom Pedrito, no mês de outubro, uma unidade móvel para realizar, aqui mesmo, o cadastramento e a coleta de sangue. Ainda não temos a data em que isto acontecerá, mas estamos atentos para divulgar detalhes aqui pelo Portal de Notícias da Qwerty, assim que possuirmos a confirmação. Estejamos preparados para este ato de amor

    Por: Silvio Bermann
    Setor de jornalismo: portal@qwerty.com.br