Dom Pedrito – Psicólogas explicam como é feita a avaliação nos candidatos ao Conselho Tutelar

    29/junho/2015 às 00h00min
     Atualizado segunda-feira, dia 29 de junho de 2015 às 00h00min
    55918c80.jpg

    Conforme já divulgamos aqui, o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica) contratou duas psicólogas – Denise Pires Garcia e Adriana Peixoto – para realizarem a avaliação psicológica dos pré-candidatos ao Conselho Tutelar, tendo em vista as eleições para o órgão, marcadas para o dia 4 de outubro próximo. Durante duas semanas, os 17 inscritos foram entrevistados, resultando que alguns foram considerados 'inaptos' para o exercício das funções, o que fez com que as inscrições tenham sido prorrogadas até o dia 16 de julho, por não ter sido alcançado o número mínimo de 15 candidatos para homologação, conforme determina a legislação municipal que regulamenta a matéria.

    As profissionais explicaram que o trabalho avalia questões como os pontos da personalidade, em seus aspectos fortes e fracos, além das relações interpessoais, utilizando como ferramentas entrevistas e testagens. "Os pré-candidatos são testados quanto às suas capacidades de Atenção, Memória, Área Cognitiva e Nível Mental, além de em seus Traços de Personalidade", observaram as psicólogas.

    Fique claro que o fato de alguém ser considerado 'inapto' para o exercício do cargo de conselheiro tutelar não quer dizer que o indivíduo não possua qualificação para o exercício de outras atividades, já que a avaliação é específica para determinar se a pessoa detém as habilidades e possui o perfil para ser conselheiro tutelar, e apenas isto.

    Os pré-candidatos que não foram aprovados na avaliação psicológica ainda detém a prerrogativa de ingressar com recurso contra o resultado.

    Por: Silvio Bermann
    Setor de jornalismo: portal@qwerty.com.br