Dom Pedrito – Plano da Agricultura Familiar deve beneficiar famílias gaúchas

    24/junho/2015 às 00h00min
     Atualizado quarta-feira, dia 24 de junho de 2015 às 00h00min
    558aba2b.jpg

    O Plano Safra da Agricultura Familiar anunciado nesta segunda-feira, dia 22, pela presidente Dilma Rousseff em Brasília (DF), deve beneficiar milhares de famílias gaúchas que vivem do cooperativismo agropecuário. A avaliação é do presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), Paulo Pires.

    Conforme o dirigente, o programa tem como um de seus pontos positivos o aumento de recursos alinhado ao Plano Agrícola e Pecuário 2015/2016, destinado à agricultura empresarial. "Esse entendimento que está havendo no Plano é positivo, pois as políticas voltadas para o agricultor familiar são as mesmas para as cooperativas, que são a extensão do agricultor familiar", observa.

    Quanto aos juros, Pires ressalta que há um aumento em relação ao ano passado mas, em comparação com os juros reais, eles vão ser negativos, como é uma característica do crédito para a agricultura familiar. "O principal resumo que os anúncios sinalizam para nós são de juros maiores, mas com aumento de recursos", salienta.

    Um dos pontos destacados pelo presidente da FecoAgro/RS é o maior investimento em assistência técnica e extensão rural para as cooperativas. "As cooperativas, nos últimos anos tem bancado esta assistência. A agricultura familiar passa por transformações muito sérias em termos de uso de tecnologia. Acredito que é muito importante essa visão do governo porque o primeiro a ser prejudicado pela falta de assistência é o pequeno produtor", analisa Pires.

    O dirigente lembra que a maior parte das cooperativas agropecuárias gaúchas são tomadoras de recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). No total, foram liberados R$ 28,9 bilhões para o setor. O volume é 20% maior em relação ao ano passado. Deste total, R$ 26 bilhões serão destinados ao Pronaf, com juros de 0,5% a 5,5% ao ano.

    Fonte:  Nestor Junior
    Notícia: Elliézer Garcez
    Setor de jornalismo: portal@qwerty.com.br